Política

Bernal mantém ampla vantagem e pode vencer no primeiro turno

O cenário mais indicado é de disputa em dois turnos entre Bernal e o candidato do PMDB, Edson Giroto, aponta pesquisa DATAmax

Arquivo Publicado em 05/10/2012, às 19h44

None

O cenário mais indicado é de disputa em dois turnos entre Bernal e o candidato do PMDB, Edson Giroto, aponta pesquisa DATAmax

Candidato a prefeito de Campo Grande, o deputado estadual Alcides Bernal (PP) mantém ampla vantagem na corrida pela Prefeitura de Campo Grande e pode vencer a disputa no primeiro turno da eleição, segundo a nona rodada da pesquisa DATAmax.


Ele conta com 39% da preferência do eleitor. Excluindo os votos brancos, nulos e os indecisos, Bernal chega a 45,9%. Para vencer o pleito neste domingo (7), o candidato precisa de 50% dos votos válidos mais um.


No cenário mais provável, em dois turnos, o governista Edson Giroto (PMDB) tem praticamente assegurada a segunda vaga na disputa eleitoral. Ele conta com 26,4% das intenções de voto contra 13% do terceiro colocado, Reinaldo Azambuja (PSDB).


Na quarta colocação, segue o petista Vander Loubet com 5,3% das intenções de voto, seguido por Suél Ferranti (PSTU), com 0,6%; por Marcelo Bluma (PV), com 0,5% e Sidney Melo (PSOL) aparece com 0,2%. Votos brancos e nulos somaram 3,6% e se declararam indecisos 11,3% dos entrevistados.


O DATAmax ouviu 1.050 campo-grandenses entre 2 a 4 de outubro. A margem de erro é de 3,5% e o grau de confiança é de 95%. O instituto registrou a pesquisa no Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TRE-MS), dia 30 de setembro, com o número MS 00339/2012.



Evolução


Na oitava rodada da pesquisa DATAmax, realizada com 765 eleitores entre 27 a 30 de setembro, Bernal aparecia com 40,5% das intenções de voto contra 24,4% de Giroto e 13,7% de Reinaldo.


Vander aparecia com 5,5%; Suél figurava na quinta colocação com 0,8% da preferência eleitoral. Professor Sidney Melo tinha 0,4% das intenções de voto contra 0,1% do candidato do Partido Verde. Votos brancos e nulos somaram 2,5% e 12% declararam-se indecisos.

Jornal Midiamax