Política

Vereador propõe soluções para interdição do Morenão

Em duas reuniões – uma às 15h desta quarta-feira (23) com o presidente da Fundação Municipal de Esporte (Funesp), Carlos Alberto de Assis, e outra na quinta-feira (24) com o administrador do Estádio Pedro Pedrossian (Morenão), João Jair Sartorello -, o vereador Alex (PT) espera contribuir e fazer sua parte na busca de soluções para […]

Arquivo Publicado em 23/03/2011, às 20h40

None

Em duas reuniões – uma às 15h desta quarta-feira (23) com o presidente da Fundação Municipal de Esporte (Funesp), Carlos Alberto de Assis, e outra na quinta-feira (24) com o administrador do Estádio Pedro Pedrossian (Morenão), João Jair Sartorello -, o vereador Alex (PT) espera contribuir e fazer sua parte na busca de soluções para a crise no futebol profissional de Mato Grosso do Sul. Um dos focos da preocupação do vereador é o problema que afeta o andamento do Campeonato Estadual com a interdição dos estádios de Campo Grande para a prática do esporte.

As duas praças esportivas locais disponibilizadas para o futebol profissional são o Jacques da Luz, nas Moreninhas, e o Estádio Morenão. A interdição do primeiro para reformas e a locação do outro para um show de uma dupla sertaneja obrigaram o Esporte Clube Comercial, de Campo Grande, a cumprir seu mando de jogo, no sábado passado (19), em Dourados. No Estádio Fredis Saldivar (Douradão), o Comercial venceu o Maracaju por 2 a 1.

Alex vê todas as forças sociais de Campo Grande preocupadas com a situação, acentuando que a questão do futebol mexe com toda a sociedade e tem impacto em diversos segmentos da economia. “Passou da hora de buscar soluções para problemas que não deveriam mais existir, sobretudo os que dizem respeito às responsabilidades do poder público”, afirma Alex. Ele espera que a Prefeitura e a Universidade Federal renovem seus compromissos com o futebol e assegurem a manutenção das praças esportivas para o uso pelo qual foram construídas.

“O que buscamos é uma saída competente, inteligente e eficaz. Não adianta ficar o tempo todo botando a culpa nos cartolas e na Federação, que têm sua conta, sim. No entanto, o papel do poder público é determinante”, assinala Alex. Ele dá como exemplo o estádio das Moreninhas, construído e mantido pelo Estado no governo de Zeca do PT. Depois foi transferido para o controle do Município, que ainda não conseguiu dar a resposta satisfatória.

“Das praças públicas para futebol profissional em Campo Grande, a Prefeitura só tem a obrigação de cuidar e conservar uma: o Estádio Jacques da Luz. E nem isso está conseguindo fazer”, disparou Alex. O vereador reiterou que vai insistir na busca de informações das autoridades sobre um convênio de R$ 600 mil entre o Ministério da Integração Nacional e a Prefeitura de Campo Grande, com o objetivo de reformar e ampliar o Jacques da Luz.

“Se esse dinheiro foi liberado e aplicado conforme se anunciou oficialmente, precisamos saber porque o estádio não apresenta condições adequadas para ser utilizado, sofre interdição e não oferece garantias para a realização do mais importante e único campeonato de futebol do nosso Estado”, concluiu.

Jornal Midiamax