Política

Professores de MS prometem pressionar Puccinelli por piso salarial e adequação de carga horária

Categoria quer que o governador cumpra o prometido durante campanha eleitoral; após a reeleição, Puccinelli teria dito que não acataria a proposta dos professores

Arquivo Publicado em 04/02/2011, às 16h10

None
2140575023.jpg

Categoria quer que o governador cumpra o prometido durante campanha eleitoral; após a reeleição, Puccinelli teria dito que não acataria a proposta dos professores

Na manhã desta sexta-feira (04), professores do Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública (ACP) se reuniram em Assembleia para aprovar indicativos que irão para votação geral, na próxima semana. A principal proposta dos professores refere-se ao piso salarial e a carga horária.

O principal indicativo é cobrar do governador André Puccinelli, do PMDB, a aplicação da Política Salarial aprovada pela categoria, que propõe aumento salarial progressivo durante três anos (2011, 2012 e 2013) até a chegada de um piso salarial.

Segundo o presidente da ACP, Geraldo Alves Gonçalves, de 62 anos, em 2010, durante a campanha eleitoral, o governador André Puccinelli prometeu cumprir a meta durante um debate promovidos pela categoria, mas após ser eleito, disse que não acataria a proposta.

Em 2011, os professores receberam reajuste de 6% de inflação no salário.

Outros indicativos visam prever que o governador estabeleça uma data para aprovação das emendas do plano de cargos e salários. O sindicato ainda discorda da mudança da data de eleição de diretor, que acontece em junho, mas o governador que adiar para novembro. Também ficou decidido sobre uma grande passeata e a divulgação de uma carta aberta para a população, explicando o motivo da manifestação.

Assembleias

Nesta semana todos os sindicados municipais estão realizando assembleias para aprovar os indicativos que serão levados para votação na reunião que acontecerá dia 11 de fevereiro na Federação dos Trabalhadores em Educação (Fetems), em Campo Grande.

Em Campo Grande são cerca de 10 mil professores sindicalizados e levarão 45 professores para a assembleia geral, além disso, cada sindicato também indica alguns delegados que os irão representar na reunião.

Jornal Midiamax