Política

‘Foi feita justiça’, diz Neudo Campos sobre cassação de governador de RR

Depois da cassação do governador de Roraima, José de Anchieta Júnior (PSDB),  nesta sexta-feira (11), o segundo colocado na eleição, Neudo Campos (PP), deve ser diplomado e tomar posse como governador na próxima segunda-feira (14). Ele afirmou nesta sexta-feira que o Tribunal Regional Eleitoral do estado fez “justiça”. “Foi feita justiça. A eleição foi distorcida […]

Arquivo Publicado em 12/02/2011, às 00h36

None

Depois da cassação do governador de Roraima, José de Anchieta Júnior (PSDB),  nesta sexta-feira (11), o segundo colocado na eleição, Neudo Campos (PP), deve ser diplomado e tomar posse como governador na próxima segunda-feira (14). Ele afirmou nesta sexta-feira que o Tribunal Regional Eleitoral do estado fez “justiça”.


“Foi feita justiça. A eleição foi distorcida pelo dinheiro e pela organização criminosa de compra de votos que foi estabelecida no segundo turno. Nós ganhamos o primeiro turno, mas como éramos oposição eles localizaram onde estavam os nossos votos e foram com uma abundância de dinheiro. Se tomar posse na segunda [14], acho que eu fico”, disse Campos.


Nesta sexta, o TRE-RR cassou o diploma de Anchieta Júnior por 5 votos a 2. Ele é acusado de usar uma rádio do governo para fazer propaganda negativa contra Neudo Campos, durante a campanha. A defesa nega as acusações e diz que vai recorrer.


Campos acusa Anchieta Júnior ter colocado todas as instituições do governo a serviço da campanha eleitoral. O então candidato do PP ao governo do Roraima terminou o primeiro turno com 47,62% dos votos válidos e Anchieta Júnior que ficou com 45,02%. No segundo turno, em uma disputa apertada, Anchieta Júnior foi eleito com uma diferença de menos de 1% no total de votos em relação ao adversário do PP.


A posse de Campos na próxima segunda ainda é incerta porque a defesa do governador cassado pretende recorrer para mantê-lo no cargo. De acordo com o advogado de Anchieta Júnior, Alex Ladislau, afirma que, de acordo com precedentes da Justiça Eleitoral, depois de publicada a sentença do TRE, a defesa deveria ainda ter o prazo de 3 dias para apresentar embargos.


“Em outros casos de cassação foi assim. É uma decisão de primeira instância, sujeita à apelação e que pode ser modificada pelo TSE. Além do mais, não foi uma decisão unânime, houve divergência de dois ministros”, disse o advogado. A defesa de Anchieta Júnior foi procurada novamente pelo G1 para comentar as declarações de Neudo Campos, mas não atendeu as ligações.


Neudo Campos teme que o apoio do partido de Anchieta Júnior, o PSDB, seja decisivo na disputa pelo poder no estado. “É uma corrida. Tem muitos figurões da política envolvidos e a gente não tem esse apoio todo que eles tem em Brasília”, disse Campos.


Contas públicas


Neudo Campos já tem planos para depois que tomar posse no governo de Roraima. Ele pretende fazer uma auditoria nas contas públicas. Segundo ele, a administração de Anchieta Júnior tem sido “perdulária”.


“Esse governo gastou muito dinheiro público. Está cheio de contas para pagar, contratos viciados que temos que auditar. Pretendo suspender pagamentos de imediato e ver o que deve pagar e o que é suspeito e deve ser investigado”, declarou Campos.

Jornal Midiamax