Placa ‘agradece’ ao buraco deixado pela Sanesul em rua de Dourados após ligação de água em imóvel de um vereador: ‘Já não bastavam os buracos que a prefeitura não tampou ainda?’

Um recorte no asfalto toma mais de metade da Rua Camilo Ermelindo da Silva, próximo ao número 1291, em Dourados, a 225 quilômetros de Campo Grande. A vala foi aberta para ligação de água, pela Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul S.A.) e irrita moradores da região e motoristas que passam pela rua.

“Está acabando com os pneus, suspensão. Tá complicado”, afirmou um dos motoristas que passa todos os dias pelo local. “Já não bastava os buracos que a prefeitura não tampou ainda?”, questiona.

Recentemente a Câmara Municipal de Dourados, votou projeto de lei que obriga ‘empresas concessionárias dos serviços públicos’ a concertar de buracos e valas de vias e passeios públicos para a ‘instalação, manutenção ou conserto de redes de água, esgoto, fiação elétrica, telefone, ou realização de benfeitorias semelhantes’, em no máximo 48h após o termino das obras.

O Diário Oficial do Município do dia 27 de julho de 2011, trás a lei nº 3466 que rege sobre a responsabilidade, durabilidade dos reparos, fiscalização e punições, caso haja descumprimento da lei. Sancionada pelo prefeito Murilo Zauith, a lei tem 90 dias para ser regulamentada pela prefeitura a partir da data de sua publicação no Diário do Município.

O imóvel em questão é do vereador e presidente da casa de leis do município, o professor Idenor Machado (DEM). Segundo o vereador, o terreno estava sendo usado por populares como depósito de lixo, por isso, ele resolveu contruir na propriedade e pediu a ligação de energia elétrica e água.

“Estou construindo uma edícula nos fundos do terreno. Vou colocar alguém para morar ali, por isso pedi para instalar luz e água”, conta o vereador. Segundo ele, a Sanesul teria levado mais de 17 dias após o pedido para realizar a ligação da água. “Paguei as guias de ligação, fiz tudo certinho”, explica.

Agora, o problema é o buraco que foi deixado pela empresa. Segundo moradores da região, já faz mais de uma semana que a vala está aberta no asfalto em frente ao terreno do parlamentar.

O gerente regional da empresa em Dourados, Odilon Azambuja disse que pretende resolver o problema, e garante que o tempo com o asfalto esburacado não é muito.

“Há quanto tempo você disse que está aberto?”, perguntou à redação. Informado que em torno de 12 dias o gerente questionou: “12 dias para tapar um buraco não é muito. A cidade está toda esburacada”. Sobre a nova lei das 48h, Odilon foi resoluto: “Não tem como, isso é utópico”.

“Mandarei uma equipe ao local. Até segunda-feira (08) taparemos esse buraco”, finalizou o gerente.

Segundo Odilon, um buraco não pode ser tapado em dois dias, em casos de obras como essa. “Tem que esperar a terra assentar”, explica. Segundo o gerente leva mais tempo que isso, “ainda mais com chuva”. Ele ainda reclama da qualidade do asfalto.

“Não dá mais pra remendar esse asfalto”, disse o gerente parodiando a administração municipal, em release da assessoria de imprensa, no caso: “trechos das ruas principais onde o tapa-buraco não resolve mais o problema”.