Política

Vereador rebate prefeito e diz que reajuste só vale em agosto

O vereador Paulo Pedra (PDT) rebateu em contato com a reportagem do Midiamax as declarações do prefeito de Campo Grande Nelsinho Trad (PMDB). Na manhã de hoje, o prefeito desabafou contra a atitude da Câmara de abrir uma comissão especial para apurar o reajuste de água e esgoto de 8.9% que entra em vigor no […]

Arquivo Publicado em 29/12/2010, às 20h30

None

O vereador Paulo Pedra (PDT) rebateu em contato com a reportagem do Midiamax as declarações do prefeito de Campo Grande Nelsinho Trad (PMDB). Na manhã de hoje, o prefeito desabafou contra a atitude da Câmara de abrir uma comissão especial para apurar o reajuste de água e esgoto de 8.9% que entra em vigor no dia 3 de janeiro de 2011. A comissão pode apontar a necessidade de uma CPI.

O prefeito assegura que não tem nada de errado com o reajuste ao contrário das suspeitas dos vereadores. Em 2009, foi autorizado reajuste de 15,53% e, como parte do acordo, a tarifa ficaria congelada pelos próximos dois anos. Conforme Pedra, que faz parte da comissão, baseado no acerto entre a prefeitura e a concessionária Águas de Guariroba, um novo reajuste só pode entrar em vigor no mês de agosto, não em 3 de janeiro, como prevê decreto publicado pelo prefeito no dia 3 de dezembro.

Pedra afirma ainda que, diferente do que disse o prefeito, o contrato entre a prefeitura e a Águas de Guariroba, não foi analisado pela Câmara. “Ele não precisa encaminhar para a Câmara porque pode fazer por decreto como fez. É uma prerrogativa dele”, diz.

A irritação do prefeito com a atitude da Câmara chegou a tal ponto que, na manhã de hoje, ele ameaçou responsabilizar os vereadores por possíveis danos à sua imagem. “Agora, eu vou dizer uma coisa para vocês, quem quiser ir a fundo, isso não é uma ameaça, vai ter que arcar com as responsabilidades e eventuais danos que eu possa vir sofrer (…) Eu não tenho uma imagem”, avisou Nelsinho.

Pedra não vê motivos para o prefeito se dizer chateado. Ele argumenta que a Câmara está apenas fazendo o seu papel que é o de fiscalizar o Poder Executivo. “Eu acho que ele falou besteiras. O vereador é inviolável pela própria Constituição e pelos votos que teve”, cita.

O vereador informa que a comissão especial combinou de fazer a primeira reunião de trabalho após o dia 10, visto que alguns vereadores devem viajar. Ele conta que a Casa de Leis terá que contratar um técnico para auxiliar os vereadores na análise dos documentos encaminhados ao Legislativo pela Águas de Guariroba que tenta provar que o aumento é regular.

A comissão terá 60 dias para apresentar relatório conclusivo dos trabalhos, apontando a necessidade ou não de uma CPI sobre o reajuste.

Jornal Midiamax