Política

Protestos paralelos chamam atenção na caminhada do PMDB

Na caminhada da coligação “Amor, Trabalho e Fé” encabeçada pelo governador e candidato à reeleição André Puccinelli (PMDB) manifestações paralelas disputavam a atenção de populares que passavam pelas calçadas do centro da Capital. O militar aposentado José Magalhães Filho, o mesmo que cobra há anos, a divulgação dos holerites dos deputados estaduais, marcou presença com […]

Arquivo Publicado em 25/09/2010, às 16h01

None

Na caminhada da coligação “Amor, Trabalho e Fé” encabeçada pelo governador e candidato à reeleição André Puccinelli (PMDB) manifestações paralelas disputavam a atenção de populares que passavam pelas calçadas do centro da Capital.

O militar aposentado José Magalhães Filho, o mesmo que cobra há anos, a divulgação dos holerites dos deputados estaduais, marcou presença com um auto-falante. Ele acompanhou toda a caminhada, sugerindo à população que “não reeleja” políticos com mandatos.

O Tribunal de Justiça negou pedido de Magalhães para ter acesso aos holerites. Porém, agora, o deputado Ary Rigo (PSDB), primeiro-secretário da Assembleia, aparece em vídeo relatando suposta partilha de dinheiro público entre membros dos três poderes, incluindo desembargadores do TJMS.

Quem também disputou a atenção do eleitorado que esteve no centro da Capital, foi Suel Ferranti, antigo militante do PSTU que concorreu duas vezes à prefeitura da cidade, uma vez a senador, uma vez a deputado federal e quatro vezes a vereador, sem nunca ter se elegido.

Ele distribuiu panfletos nos quais pede voto ao candidato à presidência da República pelo partido, Zé Maria, e sugere aos eleitores votarem nulo para os demais cargos. “Estamos chamando voto no 16 que é nulo aqui no Estado”, explica. 16 é o número do PSTU que não participa das eleições em MS neste ano, portanto, digitando 16 na urna eletrônica e apertando a tecla ‘confirma’ o voto será anulado.

Suel diz que o novo escândalo de suposta rede de corrupção que assola o Estado não chegou a causar surpresa. “Nós do PSTU sempre dissemos que este sistema era corrompido”, mencionou.

A organização do evento de Puccinelli divulgou número de participantes de 60 mil pessoas, mas cálculos dos fiscais da Agetran (Agência de Transporte e Trânsito de Campo Grande) apontaram para público de 50 mil. A caminhada percorreu as ruas 14 de Julho, Cândido Mariano, 13 de Maio e encerrou na Avenida Fernando Corrêa da Costa, onde o governador discursou ao lado da família e de lideranças políticas. Saiba mais na notícia relacionda.

Jornal Midiamax