Política

Agora, Puccinelli diz que apoia Requião

O governador André Puccinelli (MS), do PMDB, disse na tarde desta sexta-feira que se “for pra valer” vai apoiar a candidatura do também peemedebista, o governador Roberto Requião (PR). É a primeira vez que Puccinelli demonstra interesse pela candidatura própria do PMDB. Até ano passado, ele dizia que preferia tratar o assunto após o desfecho […]

Arquivo Publicado em 29/01/2010, às 19h45

None

O governador André Puccinelli (MS), do PMDB, disse na tarde desta sexta-feira que se “for pra valer” vai apoiar a candidatura do também peemedebista, o governador Roberto Requião (PR). É a primeira vez que Puccinelli demonstra interesse pela candidatura própria do PMDB. Até ano passado, ele dizia que preferia tratar o assunto após o desfecho do diálogo ainda em curso entre a cúpula nacional do PT e do PMDB.

Puccinelli, no entanto, condicionou o seu apoio: ele só entra de cabeça na campanha de Requião caso os diretórios do PMDB também apóiem a ideia da candidatura própria.

Até agora, segundo cálculos dos peemedebistas que participam de evento político em Campo Grande que conta com a participação das principais lideranças estaduais do partido, além de Requião, a candidatura própria já teria o apoio do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Goiás e Piaui.

Já o prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad, disse que sua opção vai seguir o que a cúpula nacional do partido mandar. No caso, se o PMDB lançar candidatura própria, ele acataria o propósito.

Trad, no entanto, em recentes declarações tem dito que “não vai contra quem lhe ajuda”. O comentário tem a ver com os recursos federais enviados a Campo Grande.

A candidatura de Requião não é bem enxergada por uma ala do PMDB. A maioria dos peemedebistas, aposta numa aliança com o PT. No caso, a ministra Dilma Roussef (Casa Civil) disputaria a Presidência e um indicado pelo PMDB, o deputado estadual Michel Temer, mais cotado até agora, a vice.

Puccinelli concorda com Nelsinho ao dizer que o governo federal tem contribuído com o Estado. No entanto, ele acha a ajuda “é bem menos do que o Estado merece”. Isso quer dizer que o governador e o prefeito da Capital pensam e podem agir diferente na hora de pedir votos, ou para o PT, ou outro partido.

Puccinelli disse se Requião não for o candidato, ele vai apoiar a decisão da cúpula nacional. O governador tem reafirmado que não ofereceria seu palanque a candidata petistas se ela viesse ao Estado apoiar a candidatura de Zeca do PT, ex-governador e principal adversário de Puccinelli.

Jornal Midiamax