Polícia / Trânsito

Tempestade deixa destruição em vários pontos da Capital, causa acidentes e prejudica obras críticas

A forte chuva que caiu durante a manhã deste domingo (26) em Campo Grande deixou um rastro de destruição e acidentes em várias partes da cidade. Com a força da chuva, técnicos jé temem complicações em obras críticas, como a reconstrução da Avenida Ceará, ou as correções na captação de água para contenção de enchentes […]

Arquivo Publicado em 26/09/2010, às 13h37

None

A forte chuva que caiu durante a manhã deste domingo (26) em Campo Grande deixou um rastro de destruição e acidentes em várias partes da cidade. Com a força da chuva, técnicos jé temem complicações em obras críticas, como a reconstrução da Avenida Ceará, ou as correções na captação de água para contenção de enchentes na região do shopping.

Nas obras do Shopping, boa parte do estacionamento desmoronou com a violência das águas que deveriam escoar pelos dutos instalados no local. O prefeito Nelson Trad Filho esteve no local e disse que um dos dutos acabou de ser concluído e deveria suportar a força da enxurrada. Porém, técnicos que vistoriavam a situação temem a volta da chuva. “Se chover mais umas três horas com esse volume, vai ficar mais perigoso ceder mais”, ponderou.

Na região central, várias árvores caíram, além de muros e placas. Na rua Rui Barbosa, esquina com a avenida Afonso Pena, galhos romperam a fiação elétrica deixando boa parte do centro sem energia nem telefone. A Agetran isolou a área e fechou a Rui Barbosa. Até o momento os cabos não foram consertados.

Houve também um destelhamento no Mercadão Municipal. Uma das telhas voou e quebrou outras. Operários já faziam a troca no final da manhã. Na região diversas árvores cairam ou foram arrancadas com raiz, mas não houve registro de vítimas.

Diversos bairros ficaram alagados. Na vila Nasser uma casa ficou completamente inundada e avenidas como a Júlio de Castilho, onde há diversos pontos de alagamentos, o trânsito chegou a ficar prejudicado pelas águas.

Nas obras da Avenida Mato Grosso com a Via Park, o asfalto cedeu e uma viatura do 9º Batalhão da Polícia Militar acabou engolida pelo buraco, ficando com duas rodas presas. Nos altos da Avenida Afonso Pena várias árvores, placas e outdoors caíram.

Os vidros da agência de auto-atendimento da Caixa Econômica Federal na avenida Afonso Pena com a Via Park caíram com a força dos ventos, mas não havia clientes e não houve feridos.

Escuridão e granizo


Por volta das 8 horas da manhã boa parte da Capital escureceu rapidamente. Era a chegada de nuvens escuras que cobriram os céus e fizeram a iluminação pública ser acionada. O dia parecia noite e fortes ventos atingiram vários locais com rajadas de até 50 km/h.


O temporal teve ainda queda de granizo em algumas regiões. Segundo a meteorologista Catia Braga, somente na tempestade desta manhã choveu um total de 45 mm³. A quantia é mais da metade de tudo que choveu em setembro. O Corpo de Bombeiros foi mobilizado para atender inúmeros chamados de alagamentos e mais de 50 casos de quedas de árvores.

Jornal Midiamax