A Justiça decretou a prisão preventiva do sargento da PM de Mato Grosso do Sul preso por envolvimento com roubo de carga de maconha, na última sexta-feira (21), em Campo Grande. O policial militar, Almir Figueiredo Barros Júnior, morreu em confronto com militares do Batalhão de Choque. 

A prisão preventiva foi decretada em audiência de custódia no fim de semana. A magistrada May Melke do Amaral negou a liberdade, apesar da defesa argumentar que o sargento da PM tem várias homenagens e está há 26 anos na Polícia Militar.

“Trata-se de possível crime de associação para o tráfico de drogas, haja vista as circunstâncias fáticas narradas no inquérito policial. Logo, é imprescindível a realização de novas diligências pela autoridade policial com a finalidade de individualizar a participação de cada integrante na associação criminosa, inclusive a possibilidade de envolvimento de demais pessoas, Assim, o(a)autuado(a) deverá permanecer preso(a) cautelarmente de modo a assegurar a continuidade das investigações criminais”, relatou a magistrada.

Ainda de acordo com a magistrada, “a gravidade da conduta do autuado se eleva sobremaneira, ante seu dever de preservação da ordem pública, e portanto sua inobservância, assim como o ferimento a preceitos morais e éticos vinculados à conduta do policial militar, importam até mesmo na indignidade do cargo.”

Os policiais teriam sequestrado um caminhoneiro para roubar a carga de maconha, um total de 117 tabletes da droga.

Sargento da PM atirou contra colegas de farda

De acordo com informações, os policiais do Choque receberam a denúncia de que uma carga de drogas estaria vindo para Campo Grande através da BR-262. Nisto, os militares fizeram vigilância na estrada para identificar os autores. A informação era que, assim que a carga de drogas entrasse na cidade, seria roubada por uma quadrilha rival. Assim, conforme apurado, a quadrilha sequestrou o motorista do caminhão.

Durante as diligências, os policiais observaram a aproximação de um caminhão Mercedes-benz 1113 azul, sendo seguido de perto por um Toyota Corolla, de cor prata. Os ocupantes do Corolla sinalizaram para que o motorista do caminhão estacionasse. Em seguida, com o caminhão estacionado na Rua Barra dos Bugres, o motorista foi levado a bordo de um veículo sedan, de cor branca. 

O caminhão deixou o local escoltado pelo Corolla. Assim, a quadrilha se deslocou para uma chácara na Rua Claudio Augusto, na Vila Romana, e em seguida os integrantes iniciaram um suposto conserto na estrutura do caminhão – cortando uma chapa metálica.

Neste momento, os integrantes da quadrilha notaram a presença da polícia e os suspeitos – cinco ao todo – fugiram em direção a um imóvel. Dois fugitivos acabaram interceptados pelo cerco policial e, em seguida, ocorreu a troca de tiros. No local, morreram o policial militar Almir Figueiredo Barros Júnior e Jorcinei Junior Sabala Gil da Silva.  

Outros integrantes fugiram, entre eles, o sargento da PM que acabou preso na rodovia. O outro comparsa conseguiu fugir. No caminhão estavam escondidos 117 tabletes de maconha, sendo 58 tabletes no compartimento do caminhão e outros 59 tabletes localizados no interior do pneu do estepe.