A Justiça marcou a audiência do caso de Andressa Fernandes Teixeira, morta atropelada pelo marido Willames Monteiro dos Santos, de 33 anos, em casa no Nova Campo Grande, na noite do dia 20 de abril. Andressa foi morta aos 29 anos na frente dos filhos, de 3 e 11 anos.

A audiência para ouvir testemunhas de acusação e o interrogatório de Willames foi designada para o dia 29 de julho. Uma das filhas do casal, adolescente, também será ouvida em depoimento especial. 

O marido chegou a ser preso pela polícia, mas teve a liberdade concedida em audiência de custódia – com tornozeleira eletrônica – no dia 22 de abril, pois negou que teve a intenção de matar Andressa. 

No dia 23, o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) pediu pela prisão preventiva de Willames e ele foi preso novamente no último dia 3 de maio, sendo encarcerado no Centro de Triagem Anísio Lima, em Campo Grande. 

Willames Monteiro dos Santos foi indiciado por homicídio qualificado cometido por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima e pelo crime de feminicídio cometido por violência doméstica e familiar e na presença física de descendentes da vítima e resistência. Ele foi denunciado pelo MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) no dia 10 de maio. 

Uma reconstituição do crime também foi realizada pela polícia no bairro Nova Campo Grande na noite do dia 22 do mês passado. Willames foi escoltado por policiais penais até o local e demonstrou sua versão.

Relembre o caso

Em entrevista coletiva de imprensa, a delegada titular da Deam (Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher), Elaine Benicasa, explicou que o casal vivia junto há 12 anos e que vizinhos relataram que o relacionamento era bastante conturbado, pois escutavam brigas frequentemente.

Os dois estavam ingerindo bebida alcoólica, quando brigaram porque o marido queria ir pela terceira vez comprar mais bebida e a mulher não queria deixar. Ele já havia ingerido três caixas de bebida alcoólica.

Andressa estava sentada no portão da residência com os filhos quando o autor entrou no carro deu ré e a atingiu. À polícia, primeiro ele contou que não sabia que ela estava atrás do veículo, depois contou que ela foi para atrás do veículo, quando ele deu ré, passando por cima dela e destruindo o portão. 

“A filha pediu ajuda em um grupo da família. Os familiares começaram a chegar e tiraram ela debaixo do carro, porque ela teria ficado presa, em tese com vida, mas quando o socorro chegou ela já não tinha sinais vitais”, explicou.

Após atropelar e prensar a esposa contra o portão, o marido ainda a arrastou por cerca de 10 metros em via pública. A denúncia do MPMS aponta que uma testemunha e a filha do casal pediu que o homem parasse o veículo, tendo falado inclusive que ele iria matar Andressa, porém, Willames disse-lhes: “que se dane” e continuou a arrastar a esposa com o carro por mais alguns metros.

O Corpo de Bombeiros foi acionado, uma ambulância chegou rápido, entretanto, a equipe constatou o óbito após 1h. 

VÍDEO mostra moradores tentando socorrer Andressa

Um vídeo registrado por populares no dia dos fatos mostra os moradores incrédulos com o crime e tentando tirar o veículo de cima da mulher. Uma mulher ainda diz: “oh Deus! Era para ter tirado esse carro antes”.

Em contato com o Jornal Midiamax, um morador relatou que o homem teria mentido no depoimento prestado a polícia e passado por cima de Andressa três vezes. 

Vizinhos e familiares contaram que as brigas e discussões entre o casal eram frequentes. “Era sempre constante (brigas). Todos os vizinhos ouviam. Ficava sempre preocupada se alguma coisa acontecesse”, disse uma vizinha no dia seguinte ao crime.

Confira o vídeo: