A família de Vinícius Ibanez Riquelme, morto aos 19 anos após um treinamento de campo realizado pelo 10º Regimento de Cavalaria Mecanizado, em Bela Vista, a 324 quilômetros de Campo Grande, pedirá uma indenização à União Federal. Um exame de necropsia confirmou que o óbito ocorreu por desidratação e exaustão física. 

O soldado morreu no dia 27 de abril na Santa Casa da Capital e os familiares de Vinícius denunciaram que a morte ocorreu por um possível quadro de ‘desidratação’ e ‘esforços exaustivos durante os exercícios físicos’. 

Agora, com o exame de necropsia em mãos confirmando a morte por desidratação e exaustão física, a mãe do recruta pedirá uma indenização à União Federal, conforme o advogado Fernando Lopes de Araújo, que representa a mãe da vítima. 

“É uma ação de indenização por danos morais, na qual o pedido é para que a justiça condene a União Federal, que no caso é o órgão responsável pelos atos do Exército, a pagar um determinado valor, em razão da perda e do sofrimento causados à mãe de Vinicius”.

Questionado sobre o valor, o advogado da família explicou que é fixado pelo Juiz, podendo atingir até R$ 1 milhão. “O valor da indenização é fixado pelo Juiz, mas nesses tipos de caso gira em torno de um milhão de reais”, afirmou Fernando. 

Broncopneumonia acentuada, necrose centrolobular no fígado, necrose tubular aguda no rim e desidratação, essas foram as causas da morte do recruta, segundo o exame de necropsia realizado pela Perícia Oficial Falcão Diagnósticos. Necrose centrolobular é a necrose do fígado, consequência de anemia aguda.

Houve ainda um choque séptico, que ocorre quando o fluxo sanguíneo está baixo e reduz o fornecimento de oxigênio para os órgãos, sendo que a causa contributiva do óbito foi a exaustão física, conforme o exame publicado pelo Fronteira News.

Um edema pulmonar também contribuiu para a morte de Vinícius por insuficiência respiratória aguda. 

Exame de necropsia. (Reprodução, Fronteira News)

Em maio, o Jornal Midiamax já havia noticiado que na certidão de óbito também consta que o rapaz morreu por choque, necrose centrolobular, distúrbio hidroeletrolítico, desidratação, síndrome infecciosa e realização de exercícios físicos rigorosos.

Após a morte do recruta, além de seus familiares denunciarem que a ‘desidratação’ e ‘esforços exaustivos durante os exercícios físicos’ feitos por ele, famílias de outros militares denunciaram coação supostamente praticada por militares para que soldados recrutas comprem enxoval específico ao ingressarem no serviço militar.

Exército deve investigar possíveis desvios de conduta

O Comando da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada abriu um procedimento administrativo para investigar possíveis excessos ou desvios de conduta praticados durante o treinamento que contou com 209 militares, sendo 170 recrutas e 39 instrutores, em Bela Vista. A Brigada ainda disse, em nota, que as famílias de todos os militares, inclusive de Vinícius, estão sendo assistidas. 

Em relação ao óbito, foi aberto um IPM (Inquérito Policial Militar) para investigar as circunstâncias. Contudo, a certidão de óbito do militar consta que houve exaustão em exercícios físicos rigorosos.

Treinamento e morte

Vinícius passou por treinamento de campo com o grupo do 10º Regimento de Cavalaria Mecanizado de Bela Vista entre os dias 22 e 26 de abril. No último dia, os soldados voltaram em marcha, a pé, quando o recruta não suportou e caiu ao chão desmaiado. 

Ele foi levado para a ambulância e depois para a enfermaria do quartel, onde ficou por 4 horas até ser transferido para o hospital local São Vicente de Paulo. O hospital solicitou ‘Vaga zero’ para Campo Grande e às 19h30 daquele dia ele foi encaminhado para a Santa Casa da Capital, onde morreu às 6h45 do dia seguinte.

“Eles foram forçados a comer alho e cebola com casca, ficaram durante horas expostos ao sol quente sem beber água, não foi autorizado atendimento no local do treinamento aos recrutas que estavam se sentindo mal, ou seja, houve omissão por parte dos responsáveis”, informou o advogado.

O treinamento ocorreu em meio a onda de calor já anunciada antecipadamente pela meteorologia.

Vacinação após morte

Devido à morte do recruta após treinamento exaustivo e confirmações de alguns casos de infecções virais, o Exército decidiu aplicar vacinas contra a Influenza para todo o efetivo do 10º Regimento. A campanha aconteceu na última quinta (2) e sexta-feira (3).

“O Comando da 4ª Brigada afirma que permanece em prontidão médica e de suporte às famílias dos militares afetados, para que não ocorra agravamento dos casos existentes”, disse em nota.

Denúncias sobre enxovais

Familiares de militares lotados no Exército de Bela Vista denunciaram coação supostamente praticada por militares para que soldados recrutas comprem enxoval específico ao ingressarem no serviço militar.

Entre os relatos feitos pelas mães dos soldados ao Jornal Midiamax está a lista do material de campo básico que exige o fardamento como item obrigatório, avaliado em aproximadamente R$ 700 e que, segundo elas, não é reembolsado. 

Há relatos de que um dos recrutas estaria sem dinheiro para comprar o enxoval e, então, teria sido informado que colocariam pedras na mochila daqueles não comprassem o material, o que causou medo nos militares.