Médico acusado de agredir o pai de um paciente com soco no rosto, durante atendimento médico no pronto-socorro do Hospital Regional da cidade de Aquidauana, a 135 quilômetros de Campo Grande, foi afastado de seus plantões nesta quinta-feira (13), após decisão da direção da Unidade Hospitalar.

Uma nota foi enviada à imprensa, informando que foram tomadas medidas de forma diligente, procedendo com a apuração dos fatos junto ao jurídico da Instituição, com acesso ao boletim de ocorrência registrado no dia do ocorrido. O comunicado é finalizado com a informação de que o profissional de saúde envolvido foi advertido por escrito e está suspenso de seus plantões, aguardando a apuração do fato.

A confusão

O pai do paciente, de 44 anos, contou ao Jornal Midiamax que foi agredido com um soco no nariz por um médico no pronto-socorro do Hospital de Aquidauana, durante atendimento ao seu filho, que foi vítima de acidente de trânsito, na noite do último sábado (08).

O homem relatou à reportagem que teve conhecimento do acidente e que seu filho havia sido levado para o Hospital da cidade. De imediato ele foi até o local e se assustou ao ver o jovem na maca e se queixando de dores, então, segundo ele, começou a questionar o médico, mas que em nenhum momento o agrediu.

“Eu estava muito nervoso ao ver meu filho chorando de dores, fiquei alterado sim, mas não levantei um dedo para o médico, eu fiz questionamentos de pai para ele, mas o médico disse que eu o agredi verbalmente e me deu um soco no nariz e me derrubou”, contou.

O homem conta que, quando a esposa e a filha tiveram conhecimento do que estava acontecendo dentro do pronto-socorro, tentaram entrar para socorrê-lo, mas foram impedidas. “Depois de muita insistência, elas conseguiram entrar, mas aí chamaram a Polícia Militar para nossa família”, disse.

O homem disse que se sentiu humilhado com a situação, já que a equipe médica deveria entender seu nervosismo ao ver seu filho acidentado e gritando por conta das fortes dores. “Eu fui praticamente espancado, posso ter errado em agredi-lo verbalmente, mas isso não justifica ele ter me batido, eu estava apavorado com medo de perder meu filho, esperava acolhimento e não um soco na cara”, desabafou.

Já no boletim de ocorrência no qual a reportagem teve acesso, o médico alega que o pai não concordava com o que ouvia sobre o atendimento do filho e começou a se exaltar e a xingá-lo, de maneira a desprestigiá-lo e desrespeitá-lo e, mesmo com tentativas de tentar mantê-lo calmo, ele partiu para cima do médico que, em instinto de defesa, desferiu um soco na face de Nivaldo. Este soco provocou uma lesão que resultou em sangramento nasal. Após isso, Nivaldo foi retirado do recinto e permaneceu do lado de fora até a chegada da Polícia Militar.

O homem nega que tenha agredido o médico fisicamente e disse que irá denunciá-lo no CRM (Conselho Regional de Medicina), na ouvidoria da Secretaria Municipal de Saúde e também irá denunciar o atendimento ao prefeito de Aquidauana, já que o Hospital está sob intervenção municipal, ou seja, responsabilidade do município.