Em uma semana de atendimento diferenciado para crianças e adolescentes vítimas de crimes em , foram registrados 15 boletins de ocorrência, entre eles, casos de estupro, maus-tratos e abandono de incapaz.

Até o momento, o atendimento vem sendo realizado na Deam (Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher) em regime de plantão, ou seja, aos finais de semana e durante a noite e madrugada.

Delegada da Anne Karine. (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Conforme explicou a delegada titular da DEPCA (Delegacia Especializada de à Criança e ao Adolescente), Anne Karine Trevisan, no local temporário não é colhido depoimento especial, até porque não é item obrigatório, então esse passo fica a cargo da própria DEPCA ao longo da semana, onde a criança é ouvida por um psicólogo.

Nos plantões são feitos os APFs (Auto de Prisão em Flagrante) e depois encaminhado o caso à delegacia especializada.

Ainda segundo a delegada, em até 45 dias será concluída uma estrutura adequada na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Cepol, mais acolhedora para crianças vítimas para fazer todo procedimento.

Haverá uma recepção diferenciada, para não ficar em contato com outras vítimas, principalmente adultos, além de sala de depoimento especial, outra sala de registro de boletins só para as crianças e adolescentes vítimas e também para que a e Conselho Tutelar não fiquem em contato com outras pessoas.

fogo
Depac Cepol, onde estrutura para atender crianças e adolescentes deverá estar pronta em 45 dias. (Foto: Nathalia Alcântara, Arquivo, Jornal Midiamax)