Presa com revólver em operação contra o PCC já foi detida em ação da Polícia Federal

Ela foi acusada de receber dinheiro da facção em agosto de 2020
| 18/04/2022
- 14:01
Presa com revólver em operação contra o PCC já foi detida em ação da Polícia Federal
Mandados foram cumpridos em cidades de MS (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Detida em na manhã desta segunda-feira (18) durante a Operação Sintonia, contra integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital), já foi presa em outra ocasião, em ação da . A mulher de 27 anos tinha em casa, no Jardim Centro Oeste, uma arma de fogo escondida no armário.

Conforme apurado pelo Jornal Midiamax, a suspeita também foi detida em flagrante, naquele dia 31 de agosto de 2020 — dia em que se comemora o ‘aniversário’ da facção. A Operação Caixa Forte 2, da Polícia Federal, levou ao menos 8 mulheres presas em Campo Grande. A ação cumpriu mais de 400 mandados de prisão.

Na casa da suspeita, foi cumprido um mandado de busca e apreensão, que terminou com a prisão em flagrante após ser encontrada uma espingarda. A mulher revelou no interrogatório que visitava o marido, que estava preso na Gameleira, constantemente, e que ela e outra mulher seriam responsáveis pelas “correspondências” de vários presos.

Operação Sintonia cumpre mandados contra o PCC
Mulheres foram presas na ação da PF (Foto: Henrique Arakaki)

A Polícia Federal identificou o recebimento de dois depósitos de R$ 1,5 mil na conta da mulher, que seriam do PCC, para o marido da acusada, que estava preso. Ela acabou liberada provisoriamente em audiência de custódia.

Operação Sintonia

É realizada nesta segunda-feira (18) a Operação Sintonia, do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado). São cumpridos 67 mandados de prisão e 35 de busca e apreensão, nas cidades de Campo Grande, Dourados, Amambai, Bela Vista, Corguinho, Maracaju, Naviraí, Nova Andradina e Rochedo.

Durante as investigações contra o PCC, foi identificado que, mesmo de dentro dos presídios, os faccionados mantinham contato com membros do lado de fora, com uso de celulares. Estes eram responsáveis por autorizarem, gerenciarem e coordenarem a prática de crimes como tráfico de drogas, porte de arma, roubo, sequestro e homicídios em Mato Grosso do Sul.

O Gaeco ainda identificou crimes relacionados à estrutura financeira do PCC, da movimentação criminosa da facção para angariar dinheiro ilícito, bem como punir e manter a disciplina dos faccionados que não seguiam as “diretrizes” da organização criminosa. Ou seja, aqueles que não pagassem as dívidas com o tráfico de drogas ou a arrecadação das ‘rifas’, mensalidades pagas pelos integrantes do PCC.

Sintonia dos Gravatas

Esta é a segunda operação do Gaeco contra o PCC em menos de um mês. Na última, a Operação Courrier, os alvos foram advogados que estariam atuando para a facção criminosa, conforme apontado na denúncia. Naquele dia 25 de março, quatro advogados foram presos, acusados de envolvimento com o PCC.

Ao menos 15 ‘gravatas’ foram identificados durante as investigações do Gaeco. Conforme o relatório de investigação, com pedido de prisões, os advogados são suspeitos de integrarem a facção criminosa repassando recados entre os membros que estão presos. Este foi o relato do advogado Bruno Ghizzi, em uma espécie de delação à Polícia Civil.

Entre os nomes que aparecem nas investigações, está o de um advogado de São Paulo, que segundo o Gaeco atua na defesa do líder da facção criminosa, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola. Servidores da Defensoria Pública e um do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) também foram alvos da operação.

Já entre os integrantes da facção que estão presos, foram apontados 5 como lideranças do PCC, que mantinham contato direto com os advogados investigados.

Veja também

Outros três filhos da condutora, menores de idade, estavam na casa sem os cuidados de um adulto

Últimas notícias