Na véspera da Páscoa, paraguaios são presos em MS com 170 kg de pescado

Trio tentou fugir e foram apreendidos pela PMA
| 16/04/2022
- 13:12
pescado apreendido
Pescado apreendido na busca. (Foto: Divulgação/PMA)

Três paraguaios foram presos na madrugada deste sábado (16), em Porto Murtinho, a 438 quilômetros de Campo Grande, com 170 kg de pescado. Na véspera da Páscoa, a PMA (Polícia Militar Ambiental) iniciou uma operação após receber denúncias da pesca predatória na região conhecida como Corixo Máquina, no Rio Paraguai.

O Comando da Ambiental enviou os Policiais do Setor de Inteligência para fazer levantamentos e tentar prender os suspeitos no território brasileiro, pois, o local fica a 60 km do Paraguai. A equipe identificou que eles pescavam no mesmo local e sempre de madrugada, sem se afastar do território do país vizinho, o que facilitava a .

“Na noite de ontem (15) e madrugada de hoje (16), as equipes se dividiram e fecharam o cerco nos pontos, onde o Setor de Inteligência conseguiu levantar que as possíveis pescarias ilegais ocorreriam. Hoje (16) às 4h40, as equipes conseguiram efetuar a prisão. Como era muito próximo ao território vizinho, os infratores ainda tentaram fuga em uma embarcação que estavam, mas devido ao cerco bem planejado das equipes e a vegetação aquática no corixo, todos foram detidos”, informou a PMA.

pescado pma - Na véspera da Páscoa, paraguaios são presos em MS com 170 kg de pescado
Peixes apreendidos. (Foto: Divulgação/PMA)

A todo foram 170 kg de peixes de várias espécies, dentre o pintado, piranha, armal e curimbatá de vários tamanhos, inclusive pintados abaixo da medida mínima para captura. Também oi apreendido um motor de popa, petrechos ilegais utilizados na captura do pescado, sendo: duas tarrafas, uma rede de pesca, medindo 280 metros e uma fisga, esta que também normalmente é utilizada para abate de jacarés. As equipes ainda permaneceram em diligências da região, na tentativa de encontrar mais pescadores, porém, ninguém mais foi preso.

Os infratores, de 32, 38 e 65 anos, são residentes na cidade de Vallemi e não foram autuados administrativamente, a multa ambiental julgada pelo órgão Estadual, porque não possuem CPFs (Certificados de Pessoa Física) brasileiros, porém, responderão pelo crime de pesca predatória de capturar pescado abaixo da medida permitida, com petrechos proibidos e acima da cota permitida por lei. A pena para o crime é de um a três anos de detenção.

Veja também

Últimas notícias