Polícia

Suspeita de feminicídio: vestido de mulher desaparecida em MS é encontrado

Agentes do SIG fizeram buscas para localizar corpo de Jayne Martins Ramires

Marcos Morandi Publicado em 09/12/2021, às 08h21

Polícia interrogou três suspeitos, mas corpo ainda não foi encontrado
Polícia interrogou três suspeitos, mas corpo ainda não foi encontrado - Cido Costa

Denúncia levou policiais civis, na tarde desta quarta-feira (8), até uma residência na aldeia Bororó, onde supostamente estaria o corpo de Jayne Martins Ramires, de 23 anos, desaparecida desde o dia 26 de outubro. No local, foi encontrado um vestido que pertencia à mulher.

Conforme a polícia, duas pessoas moradoras na casa foram interrogadas e liberadas. As investigações continuam. Jayne está desaparecida há 43 dias. Familiares disseram que ela saiu de casa para ir até a residência de uma amiga, na aldeia Bororó, desde então não foi mais vista.

O caso fez com que a Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul entrasse com pedido de abertura de inquérito sobre o desaparecimento de Jayne. Há suspeitas de que a indígena tenha sido vítima de feminicídio.

O pedido de abertura do inquérito foi encaminhado pela defensora Neyla Ferreira Mendes, coordenadora do NÚPIIR (Núcleo Institucional de Promoção e Defesa dos Povos Indígenas e da Igualdade Racial e Étnica), à delegada Paula Ribeiro dos Santos, titular da Deam (Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher) de Dourados.

“Há notícias de que seus benefícios sociais foram sacados e que todos seus bens e seus documentos continuam em sua casa”, informou a defensora, que recebeu uma solicitação de ajuda, via WhatsApp, do movimento de mulheres da RID (Reserva Indígena de Dourados).

Segundo relato dos familiares de Jayne, ela teria deixado o local na companhia de um homem, que seria morador da Reserva Lagoa Rica. Diversas ligações já foram feitas para o celular da jovem, mas nenhuma delas foi atendida.

Conforme o boletim de ocorrência registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), Jayne Martins vestia saia e uma jaqueta preta. Quem tiver informações sobre o paradeiro da jovem, pode entrar em contato com o SIG (Setor de Investigação Geral) pelo telefone 3411-8080. 

A reportagem do Midiamax apurou que o movimento de mulheres das aldeias montou grupo de voluntários e, desde a tarde terça-feira (7), intensificaram as buscas em algumas matas que ficam próximas à Reserva Indígena. Elas receberam informações de que Jayne foi assassinada.

Jornal Midiamax