Polícia

Por causa do avanço da Covid-19, justiça adia 2 vezes julgamento de execução do tráfico

Crime ocorreu em maio de 2011 e até agora o Tribunal do Júri

Renan Nucci Publicado em 04/06/2021, às 14h42

None
Foto Ilustrativa

Pela segunda vez, o juiz Jessé Cruciol Júnior, da Vara ùnica de Nova Alvorada do Sul, a 120 quilômetros de Campo Grande, se viu diante da necessidade de adiar o julgamento de uma execução do tráfico de drogas ocorrida há mais de 10 anos naquele município. O motivo é o avanço da pandemia do coronavírus (Covid-19).

Consta nos autos do processo que no dia 29 de maio de 2011, Paulo Cezar Fernandes da Silva matou a tiros Egres Barbosa Marques, por causa de uma dívida de drogas. Segundo a denúncia oferecida pelo MPMS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul), os fatos ocorreram na Rua Deputado Londres Machado.

Vítima e autor, cada um em uma moto, se encontraram no local e começaram a discutir. Informações são de que Egres devia dinheiro do tráfico a Paulo. O bate-boca esquentou, oportunidade em que Paulo sacou uma arma e disse: “Você vai pagar agora, acabou a sua hora chegou”. Em seguida atirou duas vezes.

Baleado nas costas, Egres não resistiu aos ferimentos e morreu. Paulo foi indiciado, denunciado e pronunciado para que fosse levado a julgamento pelo Tribunal do Júri. O primeiro foi inicialmente marcado para o dia 15 de abril deste ano, mas por conta da pandemia, foi reagendado para 17 de junho.

Contudo, o cenário não mudou como o esperado, motivo pelo qual o juiz teve que adiar mais uma vez, agora com previsão para ocorrer no dia 2 de setembro. “Diante do aumento de casos de infecção pelo vírus Covid-19,estando o Estado no pior momento da pandemia até aqui,com a consequente tomada de medidas restritivas mais rígidas pelos municípios situados no Estado de Mato Grosso do Sul, o que encontra-se sendo amplamente divulgado pela mídia estadual, tenho por medida de cautela e saúde pública designar a sessão de julgamento”, disse o magistrado em seu despacho.

Jornal Midiamax