Polícia

Pai mantinha presa em casa menina, que só podia sair após sessão de estupros

Tentou absolvição que foi negada no dia 29 de julho deste ano

Thatiana Melo Publicado em 02/08/2021, às 12h11

None
(Ilustrativa)

Foi negada a absolvição a um homem de 55 anos, acusado de estuprar a própria filha por 10 anos, depois que a menina passou a morar com o homem após a morte da mãe da vítima, em 2007, em cidade de Mato Grosso do Sul.

A decisão pela não absolvição do autor acabou sendo proclamada no dia 29 de julho deste ano, quando a defesa do réu entrou com o pedido afirmando não haver nos autos provas suficientes da acusação para a condenação. Mas, foi negado pela Justiça que manteve a condenação de 18 anos em regime fechado.

Segundo as investigações, o denunciado é pai biológico da vítima, embora não conste o nome dele no registro de nascimento. Os abusos começaram quando a criança tinha 10 anos.

Ele mantinha a filha presa em casa dizendo que ela só sairia se ocorresse o crime. Os estupros só cessaram quando a vítima, em 2017, saiu da casa do pai para morar com um companheiro. 

Jornal Midiamax