Polícia

Mulher denuncia calúnia após ser acusada da morte de guarda investigado por estupro

Mulher de 39 anos ex-esposa de um guarda civil metropolitano de Campo Grande que vinha sendo investigado por estupro e que cometeu suicídio, procurou a Polícia Civil para denunciar ter sido alvo de calúnia e ameaça. Segundo ela, a ex-cunhada, irmã do guarda, a acusa de ter sido responsável pela morte do servidor da segurança […]

Renan Nucci Publicado em 01/01/2021, às 14h00

Imagem ilustrativa (Foto: Arquivo Midiamax)
Imagem ilustrativa (Foto: Arquivo Midiamax) - Imagem ilustrativa (Foto: Arquivo Midiamax)

Mulher de 39 anos ex-esposa de um guarda civil metropolitano de Campo Grande que vinha sendo investigado por estupro e que cometeu suicídio, procurou a Polícia Civil para denunciar ter sido alvo de calúnia e ameaça. Segundo ela, a ex-cunhada, irmã do guarda, a acusa de ter sido responsável pela morte do servidor da segurança pública do município.

A mulher relatou que recebeu prints de conversas na qual a ex-cunhada, de 38 anos, a culpava pela morte. Além disso, nesta sexta-feira, a vítima foi abordada pela ex-cunhada, que foi até sua residência nos Altos do São Francisco, onde passou a ameaçá-la em tom de vingança. A autora ainda tentou invadir a casa da mulher e a agrediu verbalmente.

Diante dos fatos, a moradora registrou boletim de ocorrência na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro. O guarda teria cometido suicídio no dia 20 de abrirl do ano passado, após suspostamente ter estuprado uma criança. Ele teria usado uma arma da corporação. O caso é investigado pela DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente).

Jornal Midiamax