Polícia

MS não tem cidades no ranking de mortes violentas com taxas superiores à média nacional

Lista é composta por 50 municípios

Renata Portela Publicado em 15/07/2021, às 17h28

Homicídio registrado em novembro de 2020, em Campo Grande
Homicídio registrado em novembro de 2020, em Campo Grande - (Foto: Leonardo França, Midiamax)

No Anuário Brasileiro de Segurança Pública divulgado nesta quinta-feira (15), relativo a 2020, foi incluído um ranking dos municípios com mais de 100 mil habitantes, com taxa de mortes violentas intencionais superiores à média nacional. Entre os 50 municípios citados, nenhum é de Mato Grosso do Sul.

Os números, no entanto, aumentaram em comparação a 2019. Naquele ano foram 482 mortes violentas intencionais, 11 a menos que em 2020, que registrou 493. Os números são relativos a homicídios dolosos, que saltaram de 456 para 467. Já os casos de latrocínio – roubo seguido de morte – e lesão corporal seguida de morte tiveram o mesmo número nos dois anos, 7 e 4 respectivamente.

Mato Grosso do Sul é o 19º estado na lista da quantidade estimada dos registros oficiais de mortes violentas. Um dos maiores registros de morte violenta que o Anuário de 2021 traz sobre Mato Grosso do Sul é de 2014. Naquele ano, foram 646 crimes que resultaram em mortes e desde então não foi registrado número superior.

O Estado também não entra no ranking das 50 cidades com mais mortes decorrentes de intervenção policial, sendo as três primeiras Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e Salvador (BA). Já as mortes de policiais civis e militares vítimas em serviço aumentaram de nenhum em 2019 para 2, em 2020.

Crimes não letais

Mato Grosso do Sul teve uma queda no número de roubos e furtos de veículos, crimes considerados violentos e não letais. Foram 540 roubos em 2019, contra 417 em 2020. Já os furtos foram de 3.525 para 2.913. Também houve redução significativa no número total de roubos.

Entre roubos de carga, roubo à instituição financeira, roubo a transeunte, roubo à residência e a comércio, foram no total 7.615 em 2019. Já em 2020, uma queda de mais de 2 mil casos, totalizando 5.124. No caso de tráfico de drogas, mais casos foram registrados, 4.262 em 2019 e 4.588 em 2020.

Jornal Midiamax