Polícia

Motociclista que atropelou PM ao tentar fugir é solto após pagar fiança de R$ 3,3 mil

O policial foi levado ao hospital

Renata Portela Publicado em 31/12/2021, às 06h37

None
(Arquivo, Midiamax)

Em audiência de custódia, foi determinada liberdade provisória do homem de 36 anos, preso em flagrante por desacatar e atropelar um policial militar no Bairro Morada Verde, em Campo Grande. Ele foi liberado após pagamento de fiança, de R$ 3,3 mil.

Inicialmente, não foi arbitrada fiança na prisão do acusado. O MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) entendeu que não é necessária prisão preventiva do acusado e o juiz concedeu a liberdade. No entanto, o magistrado arbitrou fiança de três salários mínimos, considerando a natureza e circunstâncias dos crimes.

O homem foi preso na madrugada de quinta-feira (30), por volta das 4 horas. Ele era dono da motocicleta envolvida em um acidente na Rua Tesourinha, no Bairro Morada Verde, e se alterou ao saber que o veículo seria apreendido.

Conforme apurado pelo Midiamax, a Polícia Militar foi acionada para ir ao local do acidente e o suspeito se apresentou como proprietário da Honda Biz, que estava envolvida. Os militares constataram que o veículo estava com o licenciamento vencido e informaram que a moto seria recolhida ao pátio do Detran (Departamento Estadual de Trânsito).

Neste momento, o homem teria se alterado. Ele subiu na motocicleta e ligou, tentando sair do local. Um policial militar ainda tentou impedir, quando foi atropelado. Ele precisou ser socorrido e encaminhado a um hospital com suspeita de fratura na perna.

O homem ainda desacatou os policiais, xingando e dizendo que eles não sabiam com quem estavam mexendo. Ele ainda se negou a fazer o teste de bafômetro e resistiu à prisão, mas foi encaminhado para a delegacia.

Preso em flagrante, ele confirmou que bebeu antes de pilotar a moto, mas alegou que a motocicleta dele não estava envolvida no acidente. Ele ainda disse que tinha ido ao local para ajudar um amigo, mas que não desacatou os policiais.

O caso é tratado como lesão corporal culposa na direção de veículo automotor, desacato, resistência e conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool. O registro foi feito na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro.

Jornal Midiamax