Polícia

Justiça mantém absolvição de 5 policiais de MS denunciados por receberem propina do PCC

Militares são alvos de várias investigações

Renata Portela Publicado em 13/09/2021, às 14h58

Alvos da operação Piromania
Alvos da operação Piromania - (Divulgação)

Foi mantida a sentença de absolvição contra 5 policiais militares, denunciados no âmbito da Operação Piromania, que apurava crime de recebimento de propina e envolvimento com o PCC (Primeiro Comando da Capital). A absolvição foi publicada em dezembro de 2020, mas a acusação recorreu.

A decisão da turma da 2ª Câmara Criminal sobre a apelação criminal ministerial foi por manter a absolvição dos policiais. “As provas produzidas nos autos são insuficientes para ensejar um édito condenatório, de modo que, não havendo prova cabal, firme e segura sobre a autoria delitiva, impõe a absolvição”, diz a peça.

Assim, foram absolvidos dos crimes de corrupção passiva e falsidade ideológica os militares Wilgruber Valle Ptzold, Rafael Leguiça Flores, Diego de Souza Nantes, Maurício Gonçalves Brandão e Rafael Preza da Silva.

Piromania

A operação foi deflagrada em 5 de maio de 2020, pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado). A ação tinha como alvo integrantes do PCC e também militares e cumpriu mandados em quatro cidades de Mato Grosso do Sul.

Foram alvos da operação as cidades de Campo Grande, Coxim, Bela Vista e Sidrolândia. A princípio, os investigados atuavam no tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. Os criminosos ostentavam os valores e, inclusive, divulgaram fotos queimando notas.

Jornal Midiamax