Polícia

Estuprador que atacou mulheres no Vida Nova já foi preso em 2018 por roubar arma de perita

Ele disse que cometeu o crime porque ‘deu vontade’

Renata Portela Publicado em 24/06/2021, às 13h58

Arma e distintivo da vítima foram recuperados após o roubo
Arma e distintivo da vítima foram recuperados após o roubo - (Divulgação)

Há pouco mais de três anos, o homem acusado de estuprar uma mulher no Vida Nova já tinha sido preso em flagrante por assaltar uma perita criminal em Campo Grande. Com várias passagens por roubo, ele foi detido novamente na manhã desta quinta-feira (24), após estuprar e agredir uma vítima.

Naquele dia 13 de setembro de 2018, por volta das 7h50, a perita criminal estava no carro, um Palio, e foi até a casa de uma colega. Ela buscaria a colega de trabalho na Avenida Ricardo Brandão, mas foi surpreendida pelo bandido ao chegar com o carro na casa da testemunha.

O bandido fingiu que estava armado e ameaçou a vítima, exigindo que ela saísse do carro e deitasse no chão, sob ameaça de atirar. O acusado levou o Palio, a pistola da vítima com carregador e munições, um celular, perfumes, dinheiro, também o distintivo da perita criminal, bem como a carteira funcional e cartões.

Na fuga, ele abandonou o veículo e levou os objetos roubados para casa, vendendo o celular roubado no caminho. Equipes do Garras (Delegacia Especializada em Repressão à Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros) fizeram a prisão na manhã seguinte e ele teve a prisão convertida em preventiva.

Em depoimento, ele chegou a dizer que cometeu o crime porque ‘deu vontade’ e que estava sob efeito de drogas. Na época, o acusado cumpria pena em regime aberto e, com o dinheiro roubado, comprou drogas e bebidas e foi dormir na Casa do Albergado, sendo detido em flagrante na saída.

Em 2019, ele foi condenado a mais de 5 anos pelo roubo, a serem cumpridos em regime fechado. Atualmente, ele cumpria pena em regime semiaberto, mas estava evadido.

Preso por estupro

Segundo a polícia, o acusado foi encontrado e preso em uma escola abandonada na região do Vida Nova, com a faca usada para intimidar a vítima confessando o crime. No entanto, ele estava com roupas diferentes das passadas pela vítima, que ele trocou para despistar a polícia que fazia buscas por ele.

Uma força-tarefa foi montada com 16 policiais para encontrá-lo. Duas mulheres foram atacadas, sendo que a primeira conseguiu se salvar com a ajuda de um guarda de uma escola próxima, que viu quando o homem atacou a vítima. Ela voltava do mercado por volta das 20 horas desta quarta e quando o guarda viu a cena e passou a gritar com o homem, ele acabou fugindo.

A vítima estuprada foi socorrida e levada pelo Corpo de Bombeiros a uma unidade de saúde com vários machucados no rosto, corpo e suspeita de traumatismo craniano.  Ela foi amarrada pelo homem que fugiu levando seus documentos e celular. A mulher contou aos policiais que atenderam a ocorrência que tinha visto o autor no dia anterior em um bar nas proximidades.

Armado com uma faca invadiu a sua casa, a amarrou e a estuprou além de agredi-la causando vários ferimentos na cabeça. Uma vizinha contou que estava voltando para casa quando viu a mulher na janela pedindo por socorro. Ela estava trancada e com uma corda no pescoço.

Outra moradora chegou a relatar que na noite de quarta teria escutado barulhos na sua casa, “Ouvi barulhos e acordei para ver o que era, quando encontrei a janela, que deixo sempre fechada, aberta. Então assustei e pensei que ele estava escondido em um quartinho que tem nos fundos”, disse uma moradora de 20 anos, vizinha da mulher estuprada.

Jornal Midiamax