Em 15 dias, Programa Vigia recupera R$ 21 milhões em drogas e produtos do crime organizado

O Programa Vigia (Programa Nacional de Segurança nas Fronteiras e Divisas) do Ministério da Justiça e Segurança Pública, desarticulou, durante os primeiros 15 dias de março de 2021, R$ 21 milhões em drogas e produtos contrabandeados no Mato Grosso do Sul. Só de entorpecentes apreendidos, o total de 11 toneladas, é 58,2% maior que a […]
| 23/03/2021
- 18:21
Em 15 dias, Programa Vigia recupera R$ 21 milhões em drogas e produtos do crime organizado
Participam forças de segurança federais, estaduais e municipais. (Foto: Divulgação) - Participam forças de segurança federais, estaduais e municipais. (Foto: Divulgação)

O Programa Vigia (Programa Nacional de Segurança nas Fronteiras e Divisas) do Ministério da Justiça e Segurança Pública, desarticulou, durante os primeiros 15 dias de março de 2021, R$ 21 milhões em drogas e produtos contrabandeados no Mato Grosso do Sul. Só de entorpecentes apreendidos, o total de 11 toneladas, é 58,2% maior que a quantidade do mesmo período do ano passado – 4,6 toneladas.

Entre os produtos que totalizam os R$ 21 milhões desarticulados do crime organizado, estão drogas, cigarros, armas, veículos e até embarcações. As apreensões foram feitas nas fronteiras com São Paulo, Paraná, Paraguai e Bolívia. O Programa conta, atualmente, com 700 agentes de segurança federais, estaduais e municipais. Até o final de 2021, espera-se que o efetivo seja de 1200 policiais.

O Programa

Criado em abril de 2019, o Vigia tem por objetivo blindar os 17 mil quilômetros de fronteiras do país, para evitar a entrada de produtos contrabandeados e ilegais. Mato Grosso do Sul é um dos 15 estados participantes, além de Acre, Amapá, Amazonas, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraná, Rio Grande do Norte, , Rondônia, Roraima, Santa Catarina e Tocantins.

Estão incluídas forças de segurança pública da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Civil, Polícia Militar, Força Nacional de Segurança Pública, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Instituto Nacional do Meio Ambiente (), Receita Federal, Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Exército Brasileiro, Marinha do Brasil e Força Aérea Brasileira.

Veja também

Ligação do clã Isfran com o assassinato de Marcelo Pecci foi citada por jornal colombiano

Últimas notícias