Polícia

Defesa tenta redução, mas padeiro que amarrou e estuprou tem pena de 19 anos

Defesa entrou com recurso dizendo que não havia prova de que padeiro era autor dos crimes

Thatiana Melo Publicado em 04/08/2021, às 10h06

None
(Ilustrativa)

Após invadir uma residência, amarrar e estuprar uma das moradoras, em Campo Grande, um padeiro, de 37 anos, acabou condenado a 19 anos de prisão. A defesa ainda tentou recurso, afirmando que não havia provas de que ele era o autor dos crimes, mas foi negado pela Justiça. 

O crime aconteceu em 2018, quando o padeiro invadiu a residência entrando pela porta da frente, que estava apenas encostada. Com uma arma, ele fez ameaças aos moradores, sendo que levou para um dos quartos as mulheres amarrando uma delas, com várias peças de roupas.

Ele ainda teria apontado a arma para a cabeça de uma delas fazendo ameaças de morte. O autor dizia estar atrás de dinheiro, sendo que subtraiu da casa, um relógio, um celular e R$ 20. Em seguida, ele estuprou a outra moradora, e ainda a fez ajudá-lo a se vestir depois do crime. 

Foi realizado exame papiloscópico no local do crime e encontrado um fragmento de impressão digital pertencente ao autor, que também foi reconhecido com 100% de certeza pelas vítimas como autor dos crimes em comento.

Ele acabou preso e condenado a 18 anos, 4 meses e 18 dias de reclusão em regime fechado. A defesa entrou com recurso dizendo que inexistia certeza de que foi o padeiro quem praticou os crimes imputados, que as provas produzidas seriam insuficientes para confirmação da materialidade e autoria e, assim, deveria ser absolvido em atenção ao in dubio pro reo. Mas, o recurso foi negado e a pena aumentada em 19 anos, 9 meses e 23 dias de reclusão.

Jornal Midiamax