Polícia

Com família positiva para Covid-19, médica xinga fiscais da vigilância sanitária e se recusa a fazer isolamento

Segundo vigilância sanitária, pai, mãe, irmão e filho da médica testaram positivo

Danielle Errobidarte Publicado em 15/04/2021, às 15h30

Denúncia foi feita através de registro de boletim de ocorrência na delegacia da cidade.
Denúncia foi feita através de registro de boletim de ocorrência na delegacia da cidade. - (Foto: Reprodução/ JP News)

Médica de Paranaíba, distante 407 km da Capital, foi denunciada por xingar fiscais da vigilância sanitária e se recusar a assinar o termo de recusa de isolamento, nesta quinta-feira (15). Os profissionais disseram ter ido até a casa da médica durante fiscalização de rotina, após seu pai, mãe, irmão e filho testarem positivo para Covid-19.

Conforme consta no boletim de ocorrência, os fiscais precisaram de apoio policial para que a mulher assinasse o documento. Inicialmente, eles teriam chegado à residência e feito orientações para a médica, que questionou o motivo do seu isolamento, e foi informada de que, caso não aceitasse cumprir o protocolo sanitário, teria de assinar um termo de recusa.

A autoria teria xingado os fiscais, e foi lembrada de que trabalhava em dois hospitais da cidade. A equipe alegou que informou à coordenação local da vigilância sanitária, que comunicou os locais de trabalho da autora sobre a situação.

Em seguida, segundo o registro na delegacia, foi pedido apoio policial, onde foram recebidos pela autora e seus familiares, e questionados sobre o trabalho da vigilância sanitária e a presença da viatura. A autora teria mencionado que um médico de um hospital da cidade a orientou a mencionar o caso de uma enfermeira, que segundo ela, ambas moravam juntas e não fora isolada.

Uma das fiscais informou que o relato não era verdadeiro, pois elas “moram em casas diferentes”. Minutos depois, a médica assinou o termo de isolamento e, quando as equipes deixavam o local, os familiares teriam começado a questionar novamente o trabalho e a presença dos policiais. A autora, segundo o boletim de ocorrência, teria dito “seus vag***, vocês não têm o que fazer não? (sic)”, e foi informada de que a ocorrência seria registrada.

Jornal Midiamax