Polícia

Avô que prometia bonecas para estuprar neta é ‘plenamente capaz de seus atos’, revela laudo

Avô prometia bonecas e celulares para que a criança não contasse sobre os abusos

Thatiana Melo Publicado em 30/06/2021, às 10h09

None
(Ilustrativa)

Após entrar com pedido de exame para atestar se de fato, o motorista de caminhão de 58 anos tinha consciência de seus atos, ou se tinha em seu perfil psicológico, parâmetros para identificar em sua personalidade traços ou característica pedófila, após estuprar a neta de 7 anos, foi determinado que o acusado sabia o que estava fazendo. 

Após a sua prisão no dia 31 de dezembro de 2020, foi feito pelo pedido para que fosse analisado em sua personalidade traços ou característica pedófila, incestuosa ou qualquer outro elemento que indique a prática de abuso sexual. O psicólogo que fez o exame concluiu que o autor  é plenamente capaz de compreender seus atos e se determinar. 

O crime aconteceu no dia 31 de dezembro de 2020, por volta das 22h30, na casa onde estavam a menina, a sua mãe e o avô. O estupro aconteceu quando a mãe da vítima estava fazendo a outra filha dormir e o homem se aproveitou para abusar da menina. Ao ir atrás da menina, a mãe a flagrou na sala sem as roupas de baixo e o autor tentando se esconder no banheiro. 

Em depoimento, a menina disse que "Minha mãe estava assistindo televisão no quarto e eu tava na varanda com meu avô, ele me chamou para ir deitar na sala, e mandou eu deitar no colchão dele, ele pediu para eu tirar o meu short, ele abaixou meu short e abusou de mim. Minha mãe abriu a porta do quarto e entrou na sala e pegou eu sem short pelada”. 

Ao ver a cena, a mulher chamou a polícia que prendeu o autor. Os estupros teriam ocorrido por seis vezes, e o homem ainda havia feito a promessa de dar presentes como bonecas e um celular para criança se ela não contasse para sua mãe.

Jornal Midiamax