Polícia

Acusado por executar mãe e filha em MS usou carro com adesivo da Polícia Federal

Jorcy Marques Ortiz também pode ser indiciado crime contra a fé pública em outro procedimento policial

Marcos Morandi Publicado em 15/06/2021, às 11h25

Perícia encontrou selo da PF em carro usado por acusado de duplo feminicídio
Perícia encontrou selo da PF em carro usado por acusado de duplo feminicídio - Reprodução

Além de responder pelos assassinatos de Rosenilda Rodrigues Maciel de 54 anos e a filha dela, Andréia Rodrigues Maciel de 24 anos, Jorcy Marques Ortiz, com prisão preventiva decretada, também poderá ser indiciado em outro procedimento. Durante a perícia do veículo, que pode ter sido utilizado no duplo feminicídio, foi encontrado um adesivo da Polícia Federal.

Segundo o delegado responsável, Patrick Linares da Costa, que conseguiu a prisão preventiva do acusado para garantir a eficácia do procedimento criminal e evitar que a liberdade do investigado coloque testemunhas dos fatos em risco, já foram tomadas as providências de verificação da autenticidade do selo usado por Jorcy.

“Caso seja constatado que o uso do adesivo se deu de forma indevida, o suspeito pode responder por crime de uso de selo ou sinal falsificado, cuja pena é de dois a seis anos de reclusão e multa”, explicou Linares, uma vez que acusado pode ter usado do adesivo para passar em barreiras, constituindo assim, em crime contra a fé pública.

O delegado ressaltou, apesar da prisão do indivíduo já indiciado pelos feminicídios, as investigações continuam visando a identificação e responsabilização de pessoas que possam ter colaborado com a fuga de Jorcy ou que deram abrigo a ele nos dias que ficou foragido antes de se apresentar para a Polícia Civil de Antônio João. Até o momento, a arma usada no crime ainda não foi localizada.

Com uma longa ficha policial Jorcy é considerado um homem perigoso e ameaçador e contra ele já tinham sido registrados diversos boletins de ocorrências, entre eles, a rendição de um motorista de um ônibus escolar que transportava 15 crianças.

Jornal Midiamax