Polícia

Vizinho é suspeito de estuprar menina de 11 anos que saiu para comprar doce

Um homem de 35 anos foi preso na  tarde de terça-feira (17). Operador auxiliar de usina elétrica, ele está sendo acusado pelo estupro de uma menina de 11 anos,  que saiu para para comprar doces e demorou para voltar. O caso aconteceu na Rua João Borges, no Bairro João Paulo II, em Dourados. De acordo […]

Marcos Morandi Publicado em 18/03/2020, às 09h38 - Atualizado às 13h16

O caso foi registrado na Depac e será investigado pela Delegacia da Mulher.(Foto: Marcos Morandi)
O caso foi registrado na Depac e será investigado pela Delegacia da Mulher.(Foto: Marcos Morandi) - O caso foi registrado na Depac e será investigado pela Delegacia da Mulher.(Foto: Marcos Morandi)

Um homem de 35 anos foi preso na  tarde de terça-feira (17). Operador auxiliar de usina elétrica, ele está sendo acusado pelo estupro de uma menina de 11 anos,  que saiu para para comprar doces e demorou para voltar. O caso aconteceu na Rua João Borges, no Bairro João Paulo II, em Dourados.

De acordo com relatos da mãe da vítima e que constam no boletim de ocorrência registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), a filha saiu de casa para ir a um bar que fica no bairro e voltou completamente assustada.

Ela notou que a menina estava estranha e questionou se havia acontecido alguma coisa, foi então que a garota relatou que o vizinho havia puxado ela pelo braço, levado para casa e feito “coisas” nela . A mãe da menina verificou que a parte genital da menina estava avermelhada e que havia um “líquido branco” no shorts dela.

Imediatamente, a mãe ligou para a Polícia Militar, que foi até o local e deteve o suspeito, que seria operador auxiliar de usina hidrelétrica. Ele foi encaminhado para delegacia. O suspeito negou o abuso. Ele disse que realmente havia pego a menina, mas que tinha apenas dado um ‘trocadinho’ para ela comprar mais doces, mas nega que tenha abusado da criança.

A criança foi encaminhada para o Hospital Universitário, onde passou por exames. A delegada Paula Ribeiro,  titular da Delegacia da Mulher, disse que aguarda o laudo para confirmar se houve ou não o estupro de vulnerável.

Jornal Midiamax