Os dois servidores da Câmara Municipal de Aquidauana, a 135 quilômetros de Campo Grande, prestam depoimento nesta tarde na delegacia de Polícia Civil. Eles foram presos acusados de desviarem recursos da folha de pagamento dos funcionários e legislativo da Casa de Leis. O valor do desvio pode chegar a R$ 2 milhões. Eles também estariam falsificando documentos públicos.

Entre os presos está o servidor que já foi indiciado pelo sumiço de dinheiro da Câmara, que chegou a forjar um suicídio se jogando da ponte. Na semana passada, ele enviou um áudio para familiares alertando que ia tirar a própria vida.

Os mandados de prisão contra os servidores foram cumpridos na manhã desta sexta (27). Três delegados e 12 investigadores cumpriram mandados de busca e apreensão em endereços ligados aos dois servidores da Câmara de Aquidauana, que exercem função de contador e de controlador do órgão.

O desvio foi descoberto no dia 10 de julho quando valores que deveriam terem sido repassados para a conta da prefeitura da cidade não foram feitos pelos servidores.

Os desvios são correspondentes aos descontos de valores de impostos de renda da folha de pagamento de servidores e membros do poder legislativo municipal, como pela prática de falsificação de documento público.

A dupla teria enviado para a prefeitura, através de e-mail, comprovantes de depósitos de valores acima de R$ 120 mil, o que foi comprovado depois que os eram parcialmente inexistentes. Eles teriam alterado os valores constantes dos seus pagamentos e desviado recursos da conta da Câmara Municipal para contas pessoais simulando pagamento de salário, o que ficou comprovado por extrato recebido através da agência bancária onde a casa de leis movimenta sua conta corrente.

Somente no primeiro semestre deste ano, a dupla teria desviado cerca de R$ 500 mil. Entre os anos de 2017 e 2020, estima-se que o valor desviado chegue a R$ 2 milhões.