Polícia

Vida de luxo: falsos funcionários de banco se vestiam e falavam bem para enganar idosos

Dois homens foram presos acusados de aplicar golpes em idosos nas agências bancárias de Campo Grande. José Sales de Souza de 51 anos e Janderson da Silva Ramos, 35 anos, se passavam por funcionários de banco e conseguiam assim, obter as senhas e o cartão das vítimas. A Polícia Civil afirmou que eles viviam ‘muito […]

Dayene Paz Publicado em 12/08/2019, às 17h19 - Atualizado às 17h56

José foi preso após aplicar golpe em idoso no último sábado. (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax)
José foi preso após aplicar golpe em idoso no último sábado. (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax) - José foi preso após aplicar golpe em idoso no último sábado. (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax)

Dois homens foram presos acusados de aplicar golpes em idosos nas agências bancárias de Campo Grande. José Sales de Souza de 51 anos e Janderson da Silva Ramos, 35 anos, se passavam por funcionários de banco e conseguiam assim, obter as senhas e o cartão das vítimas. A Polícia Civil afirmou que eles viviam ‘muito bem’ com o dinheiro dos golpes e suspeita de que a dupla faz parte de organização criminosa que age em diversas cidades do país.

José Sales, que mora em São Paulo (SP), estava com passagem comprada para Salvador e foi preso no último sábado (10). Já Janderson é de Manaus e seguiria para Maceió, mas descobriu que estava sendo investigado, fugiu e foi preso no aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).

Vida de luxo: falsos funcionários de banco se vestiam e falavam bem para enganar idosos
Polícia investiga organização criminosa e deu detalhes de prisão de golpistas nesta segunda. (Foto: Ana Paula Chuva)

Em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (12) a delegada Priscila Sampaio, da 1ª Delegacia de Polícia Civil, informou que a dupla estava na Capital de Mato Grosso do Sul desde o dia 5 de agosto, quando passou a aplicar os golpes. Até o momento, 30 boletins de ocorrência do crime de furto mediante fraude foram registrados e apontam os golpistas como principais suspeitos.

“Fizemos diligências no sábado após eles aplicarem o golpe em um senhor de 83 anos”, destaca a delegada. Neste dia, eles lucraram R$ 14 mil e com o dinheiro, pagaram um tributo da Receita Federal de R$ 10 mil, adquiriram três vales-presente de R$ 1 mil de uma rede de supermercados e sacaram R$ 1 mil.

“Eles se passavam de funcionários do banco para ajudar os idosos, geralmente no final de semana, fim de expediente, quando as agências estão fechadas”, revela a delegada. Com isso, algumas vezes até com um falso crachá, ofereciam ajuda às vítimas. “Eles distraiam a vítima dizendo que teriam que cadastrar biometria e com isso conseguiam as senhas e o cartão da vítima”, explica. Os golpistas colocavam cartão de outra pessoa em um momento de distração e ficavam com o cartão da vítima.

Geralmente os suspeitos pagam tributos para terceiros, compram vales-presente e fazem retiradas. “Eles viajam separados e agem em todo o brasil, falam e se vestem muito bem porque esse é o modo de vida deles”, ressalta Priscila. A polícia também investiga se a organização possui empresas em nome de laranjas, que oferecem descontos em multas.

A delegada destacou que faz levantamento de vítimas para conseguir o ressarcimento e alerta para que as pessoas não aceitem ajuda de estranhos dentro das agências bancárias.

José e Janderson já tem passagens na polícia por estelionato. A Polícia Civil suspeita da participação de outros quatro homens em Campo Grande. José passou por audiência de custódia nesta segunda-feira (12) e teve prisão preventiva decretada pela Justiça.

Jornal Midiamax