Polícia

Policiais são acusados de participar de execução com 17 tiros na fronteira

Agentes da Polícia Nacional do Paraguai são suspeitos de participar da execução de um jovem de 25 anos, morto com 17 tiros na fronteira, na última sexta-feira (29). A execução ocorreu à luz do dia, em frente a uma clínica dentária no bairro San Geraldo, em Pedro Juan Caballero. Os agentes negam envolvimento no crime. […]

Maisse Cunha Publicado em 30/03/2019, às 08h42 - Atualizado em 31/03/2019, às 08h46

Pistoleiros fugiram e policiais negam participação no crime (Foto: reprodução/Porã News)
Pistoleiros fugiram e policiais negam participação no crime (Foto: reprodução/Porã News) - Pistoleiros fugiram e policiais negam participação no crime (Foto: reprodução/Porã News)

Agentes da Polícia Nacional do Paraguai são suspeitos de participar da execução de um jovem de 25 anos, morto com 17 tiros na fronteira, na última sexta-feira (29). A execução ocorreu à luz do dia, em frente a uma clínica dentária no bairro San Geraldo, em Pedro Juan Caballero. Os agentes negam envolvimento no crime.

Edgar Irala foi surpreendido por pistoleiros a bordo de uma caminhonete preta e acabou sendo brutalmente assassinado com 10 disparos de fuzil e outros sete de pistola calibre 9mm. Os tiros atingiram a altura da cabeça e o jovem morreu de forma instantânea.

Polícia técnica e investigadores da Divisão de Homicídios foram acionados e o corpo de Edgar encaminhado ao Instituto Médico Legal da cidade. Segundo o Porã News, populares disseram que a vítima teria sido executada por um agente da Polícia Nacional, mas policiais negam participação no crime.

Eles estariam a uma quadra do local e, no momento da execução, saíram em perseguição dos pistoleiros, mas os perderam de vista. A polícia segue investigando o caso.

Jornal Midiamax