Polícia

Policiais paraguaios recebiam até R$ 1,6 milhão para permitir passagem de drogas

Operação conjunta entre a Polícia Nacional, a Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) e o Ministério Público do Paraguai realizada nesta terça-feira (24), terminou com a prisão de nove policiais paraguaios envolvidos com o tráfico de drogas. Autoridades afirmam que um décimo policial deve ser preso nesta tarde. O grupo recebia de R$ 800 mil a R$ […]

Renan Nucci Publicado em 24/09/2019, às 15h04

Autoridades envolvidas na operação durante coletiva de imprensa. Foto: ABC Color
Autoridades envolvidas na operação durante coletiva de imprensa. Foto: ABC Color - Autoridades envolvidas na operação durante coletiva de imprensa. Foto: ABC Color

Operação conjunta entre a Polícia Nacional, a Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) e o Ministério Público do Paraguai realizada nesta terça-feira (24), terminou com a prisão de nove policiais paraguaios envolvidos com o tráfico de drogas. Autoridades afirmam que um décimo policial deve ser preso nesta tarde. O grupo recebia de R$ 800 mil a R$ 1,6 milhão para deixar passar carregamentos de drogas que eram distribuídos para outros países, incluindo o Brasil.

De acordo com o jornal ABC Color, o fiscal Marcos Alcaraz informou que os agentes corruptos repassavam informações privilegiadas aos narcotraficantes, frustrando grandes operações. Os investigados operavam nas regiões de Concepción, Yvy Yaú, Puentesiño y Chirigüelo. O décimo envolvido estaria em San Carlos del Apa, para onde uma equipe se deslocou para prendê-lo.

Todos eles vão passar por rigorosa investigação patrimonial, a fim de comparação dos bens que possuem com o que recebem legalmente, para que assim seja determinado o quanto usufruíram de propinas pagas pelo crime organizado. “Prestavam apoio permanente, recebendo dinheiro mensalmente para informar quando o estado iria agir, permitindo com que os narcos se antecipassem”, disse Alcaraz.

O ministro do interior do Paraguai, Ernesto Villamayor, parabenizou as autoridades envolvidas na operação pelo compromisso no combate ao tráfico. O presidente do país vizinho, Mario Abdo Benitez, pediu que todas as unidades sigam trabalhando de forma cooperativa e exigiu que cada policial corrupto seja punido proporcionalmente aos prejuízos causados.

Jornal Midiamax