Polícia

VÍDEO: Polícia cercou Bonito para prender assassino de major que fazia turismo na cidade

Para prender o assassino, Bruno da Rocha Miguel, pela morte do major do Exército Paulo Setterval, a polícia de Bonito – a 300 quilômetros de Campo Grande – cercou a cidade e em uma casa abandonada o suspeito foi localizado. Bruno foi preso por volta das 3 horas da madrugada desta terça (16), em uma […]

Thatiana Melo Publicado em 16/04/2019, às 10h13 - Atualizado às 16h57

None

VÍDEO: Polícia cercou Bonito para prender assassino de major que fazia turismo na cidadePara prender o assassino, Bruno da Rocha Miguel, pela morte do major do Exército Paulo Setterval, a polícia de Bonito – a 300 quilômetros de Campo Grande – cercou a cidade e em uma casa abandonada o suspeito foi localizado.

Bruno foi preso por volta das 3 horas da madrugada desta terça (16), em uma casa abandonada sendo levado para a delegacia, onde foi ouvido pelo delegado Gustavo Henrique, que deve dar detalhes do caso em uma coletiva de imprensa, no início da tarde. Foram 30 horas de investigações da polícia até a chegada ao autor.

Imagens de câmeras de segurança próximo ao hotel flagraram o crime, e mostram o suspeito pedindo um cigarro para o major, que estava fumando no local e quando o pedido foi negado, o rapaz desferiu uma facada no tórax do homem. Após cometer o crime, o suspeito teria ido até em casa e queimado algumas roupas, o que também está sendo apurado pela polícia.

Paulo Settervall estava reunido com amigos da turma de formatura de Salvador (BA), que vieram conhecer o Pantanal sul-mato-grossense. Ele foi assassinado em frente a um hotel no Centro da cidade, quando desceu do quarto para fumar cigarro.

O major foi um dos militares de carreira que ajudaram a implantação do Colégio Militar da Capital, onde trabalhou até se aposentar. Saindo de lá, não se afastou das salas de aula e estava lecionando no Bionatus, uma escola particular de Campo Grande. Por nota no Facebook, a escola, que está em recesso, prestou pesar aos familiares pela morte trágica do professor.

Jornal Midiamax