Polícia

PM cria escala para suprir falta de efetivo no Batalhão de Guarda e Escolta

O coronel Waldir Ribeiro Acosta, comandante-geral da Polícia Militar em Mato Grosso do Sul, determinou a regulamentação de escala suplementar para auxiliar na custódia de presos transportados para consultas médicas em Campo Grande. Conforme portaria, a medida visa suprir a deficiência momentânea do Batalhão de Guarda e Escolta. Com a nova escala, outras unidades vão […]

Renan Nucci Publicado em 25/09/2019, às 17h05 - Atualizado em 26/09/2019, às 12h42

PM é responsável por escolta de presos na Capital. Foto: Arquivo
PM é responsável por escolta de presos na Capital. Foto: Arquivo - PM é responsável por escolta de presos na Capital. Foto: Arquivo

O coronel Waldir Ribeiro Acosta, comandante-geral da Polícia Militar em Mato Grosso do Sul, determinou a regulamentação de escala suplementar para auxiliar na custódia de presos transportados para consultas médicas em Campo Grande. Conforme portaria, a medida visa suprir a deficiência momentânea do Batalhão de Guarda e Escolta.

Com a nova escala, outras unidades vão ceder policiais para a escolta, enquanto tal tarefa não for completamente assumida pela Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário). Os batalhões foram divididos em cinco grupos e cada grupo ficará responsável por realizar a custódia de acordo com o dia em que foi determinado.

As escalas deverão ser definidas e comunicadas antecipadamente, para todos os dias, e cada grupo deverá dispor de duas equipes com quatro policiais cada, uma para atendimento durante o dia e outra para atendimento noturno. A portaria, que foi assinada na segunda-feira e publicada nesta quarta-feira, entra em vigor a partir de 1º de outubro.

Jornal Midiamax