Polícia

MPMS pede volta de guardas suspeitos de integrar milícia para cadeia

O MPMS (Ministério Público Estadual) entrou com recurso contra a decisão que colocou em liberdade os dois guardas municipais, Rafael Antunes e Robert Vitor Kopelski em liberdade, no dia 31 de maio. A Justiça ainda acatou a denúncia feita pelo Gaeco contra, Marcelo Rios, preso desde o dia 20 de maio por policiais do Garras. […]

Thatiana Melo Publicado em 11/06/2019, às 12h31 - Atualizado às 13h00

None

O MPMS (Ministério Público Estadual) entrou com recurso contra a decisão que colocou em liberdade os dois guardas municipais, Rafael Antunes e Robert Vitor Kopelski em liberdade, no dia 31 de maio. A Justiça ainda acatou a denúncia feita pelo Gaeco contra, Marcelo Rios, preso desde o dia 20 de maio por policiais do Garras.

O recurso interposto pelo MP foi publicado nesta terça-feira (11), com prazo de dois dias para a defesa se pronunciar sobre o fato. Já nesta segunda-feira (10), a Justiça acatou a denúncia feita pelo Gaeco contra Marcelo Rios. Foi dado um prazo de dez dias para que a defesa se pronuncie sobre os fatos.

Marcelo Rios foi denunciado por crimes previstos no Estatuto do Desarmamento, como posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, posse irregular de arma de fogo de uso permitido e porte ilegal de arma de fogo de uso permitido, e no Código Penal de receptação e adulteração de sinal identificador de veículo.

Em seu relatório o Gaeco afirma que a liberdade de Rafael Antunes e Robert Vitor Kopelski, traz prejuízo a ordem pública, a continuidade das investigações e a segurança de pessoas já identificadas pela autoridade policial.

‘QG’ da pistolagem

No ‘QG’ onde estavam escondidos um verdadeiro arsenal de guerra, a polícia encontrou quatro carabinas 556, 11 pistolas nove milímetros, uma arma calibre 12, outra arma longa calibre.22, um revólver 357, quatro pistolas .40, um calibre 380, uma pistola calibre 22, além dos dois fuzis AK47. Também foram apreendidos silenciadores e carregadores.

O arsenal estava avaliado inicialmente em R$ 200 mil. Segundo o delegado do Garras, Fábio Peró, este seria o maior armamento encontrado em Campo Grande.

Marcelo Rios foi preso na manhã de domingo (19), na rua Rodolfo José Pinho. No carro com ele, os policiais encontraram munições e uma pistola Glock. De lá, os policiais do Garras foram até mais dois endereços fornecido pelo agente, uma casa no Portal Caiobá e outra casa no bairro Rouxinóis – o guarda morava nas duas residências, já que mantinha relacionamento distinto com duas mulheres. Nestas casas foram encontradas munições e armas.

Jornal Midiamax