Polícia

Motorista de aplicativo mentiu sobre roubo porque devia a dono do carro

Motorista de aplicativo foi indiciado por falsa comunicação de crime, por inventar que havia sido roubado em Dourados. Durante inquérito, o SIG (Setor de Investigações Gerais) da Polícia Civil descobriu que, na verdade, ele havia mentido sobre os fatos, porque devia R$ 400 ao proprietário do veículo que ele alugava para usar no serviço. De […]

Renan Nucci Publicado em 30/05/2019, às 13h32 - Atualizado às 17h56

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação) - (Foto: Divulgação)

Motorista de aplicativo foi indiciado por falsa comunicação de crime, por inventar que havia sido roubado em Dourados. Durante inquérito, o SIG (Setor de Investigações Gerais) da Polícia Civil descobriu que, na verdade, ele havia mentido sobre os fatos, porque devia R$ 400 ao proprietário do veículo que ele alugava para usar no serviço.

De acordo com o delegado Rodolfo Daltro, no último dia 28, o motorista procurou a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento) alegando que havia sido roubado por dois indivíduos que, durante o transporte, sacaram uma pistola e lhe tomaram R$ 350, o aparelho de telefone celular e outros pertences.

No relato, a vítima afirmou que chegou a ser mantida em cativeiro. “Ao tomar conhecimento de fato de tamanha gravidade, imediatamente o SIG passou a realizar diligências visando apurar a autoria do crime, destacando-se que tal modalidade de delito não havia sido praticada no ano de 2019 em Dourados”, explicou o delegado.

No decorrer das investigações, os policiais desconfiaram de várias contradições no depoimento do motorista, principalmente quando ele explicava sobre a forma como foi acionado pelos ladrões, bem como o local exato onde foi mantido em cárcere. Na manhã desta quinta-feira, o homem acabou confessando que mentiu.

À polícia, alegou que devia ao dono do veículo, motivo pelo qual inventou que haviam lhe roubado R$ 400. “Ele expôs que criou a história do roubo por pensar que o caso seria só mais um para a estatística, ou seja, que não seria efetivamente investigado. Em razão de ter mentido, responderá pela prática de falsa comunicação de crime”.

Jornal Midiamax