Polícia

Homem que removeu corpo de cemitério afirma ter ouvido voz de Rosilei

Mais um capítulo da história macabra da mulher que foi assassinada e que depois teve seu corpo removido da sepultura por um ex-namorado obcecado terá desfecho na próxima terça-feira (18). Na ocasião, José Gomes Rodrigues deverá se apresentar à polícia da cidade de Dois Irmãos do Buriti, a fim de prestar depoimento e explicar porque […]

Thatiana Melo Publicado em 16/02/2019, às 10h31 - Atualizado em 18/02/2019, às 08h10

None

Mais um capítulo da história macabra da mulher que foi assassinada e que depois teve seu corpo removido da sepultura por um ex-namorado obcecado terá desfecho na próxima terça-feira (18). Na ocasião, José Gomes Rodrigues deverá se apresentar à polícia da cidade de Dois Irmãos do Buriti, a fim de prestar depoimento e explicar porque removeu o corpo de Rosilei Potronieli.

Na manhã deste sábado (16), o advogado José Roberto da Rosa, atendeu a imprensa e afirmou que alegará que seu cliente sofre de esquizofrenia. Segundo ele, há laudo médico atestando a doença. Portanto, seria necessário saber se, no momento em que o ex-PM removeu o corpo do cemitério,  estaria em surto.

O advogado destacou que um contato entre o autor e a delegada Nelly Macedo foi feito por telefone na noite da sexta-feira (15), na qual comprometeu-se de se apresentar na terça-feira na Delegacia de polícia de Dois Irmãos de Buriti. Segundo ele, caso o surto seja confirmado, José Gomes Rodrigues pode não ser imputado pelo crime de vilipêndio de cadáver, cuja pena é de reclusão de um a três anos e multa.

Sequência dos fatos

Ainda de acordo com o advogado no dia do assassinato de Rosilei, José estava preso por causa de denúncias feitas pela vítima, sendo que ao sair da cadeia ficou sabendo pelo seu primo, Edson Maciel, que Rosilei havia sido morta a facadas em um bar de Terenos.

Neste momento, José teria se desesperado e planejado o ’furto’ do corpo da ex-mulher, já que os dois teriam feito um “pacto” no qual quem morresse primeiro voltaria para buscar o outro, “para ficarem juntos para sempre”.

Segundo o advogado, José afirma ter ouvido a voz de Rosilei chamando-o, e dizendo que não queria ficar onde estava, e por isso ele teria ido buscá-la. Mas, antes de sair para pegar o corpo, tanto José como Edson consumiram bebidas alcoólicas. José teria dito não se lembrar do que fez e que, apenas, se lembra de acordar na cama em sua chácara.

Ainda segundo a defesa, José teria contado que fora abandonado por Rosilei, com quem mantinha um relacionamento instável, devido as indas e vindas, e que teria sido abandonado por Adailto Couto – réu confesso do assassinato de Rosilei em um bar na cidade de Terenos.

Vale lembrar, no entanto, segundo o delegado André Luis, que Adailto disse em depoimento que não conhecia Rosilei e que a matou depois de levar um tapa na cara, após derrubar um copo de cerveja da mesa dela. Ele se entregou e confessou o crime na última quarta-feira (13).

A delegada Nelly Macedo ainda espera pelos laudos, que devem ou não comprovar se houve violação do corpo da vítima. O corpo de Rosilei foi removido do cemitério de Dois Irmãos do Buriti menos de 24 horas depois de ser sepultado. O coveiro acionou equipe da polícia depois de passar pelo local e ver o túmulo revirado.

José Gomes é tenente reformado da Polícia Militar e foi afastado em 1998 devido a doença atestada de esquizofrenia.

Jornal Midiamax