‘Fiz para defender minha família’: diz pedreiro acusado de matar traficante

Foi a julgamento nesta quarta-feira (30), em Campo Grande, Levi Ferreira Gomes acusado de matar a tiros o traficante Jeunes Jeferson Amaral Fidelis, conhecido como ‘Dentinho’, no bairro Vila Santo Eugênio, em outubro de 2014. Três pessoas testemunharam nesta quarta (30), além de Levi prestar seu depoimento aos jurados. Uma das testemunhas, moradora do bairro […]
| 30/10/2019
- 14:22
(Marcos Ermínio
(Marcos Ermínio - (Marcos Ermínio

Foi a julgamento nesta quarta-feira (30), em Campo Grande, Levi Ferreira Gomes acusado de matar a tiros o traficante Jeunes Jeferson Amaral Fidelis, conhecido como ‘Dentinho’, no bairro Vila Santo Eugênio, em outubro de 2014.

Três pessoas testemunharam nesta quarta (30), além de Levi prestar seu depoimento aos jurados. Uma das testemunhas, moradora do bairro há mais de 20 anos, contou que a movimentação na casa de ‘Dentinho’ era muito grande e que ele sempre arrumava confusão com os moradores, que temiam ele. Ainda segundo ela, o traficante agredia com frequência a sua esposa.

A mulher ainda disse, “Voltou a para a nossa rua”. O mesmo sentimento e relato foi dito por outra moradora do bairro que contou aos jurados que Jeunes andava sempre armado e fazia questão de mostrar o revólver para os moradores como forma de causar medo nas pessoas. Já outra moradora contou que o traficante por várias vezes ameaçou o filho dela.

Em depoimento, Levi contou que matou ‘Dentinho’ para proteger a sua família e que no dia do assassinato, 30 de outubro de 2014, seu filho teria ido buscar a esposa na escola por volta das 21 horas e ao chegar em casa falou para seu pai que haviam roubado sua motocicleta e que seriam os meninos. Momento em que Levi saiu e foi até a casa de Jeunes para questionar sobre o roubo da moto, sendo que o traficante teria debochado do pedreiro rindo na sua cara.

Levi, então, voltou para casa e pegou um revólver voltando para a casa de ‘Dentinho’ onde questionou de novo o roubo da moto e mais uma vez, ele teria debochado do pedreiro, que neste momento fez três disparos. “Não foi pensado, eu agi por impulso”, disse o acusado aos prantos. Ele ainda falou que tinha matado Jeunes para defender a sua família.

A esposa do pedreiro contou ao Jornal Midiamax, que o marido sempre foi uma boa pessoa, e que nunca foi agressivo. “Se não fosse o dentinho seria a gente. Acredito que ele fez isso (assassinato) para defender a família”, disse Josilene da Silva de 40 anos, casada com Levi há 27 anos.

Veja também

Últimas notícias