Polícia

Ex-PM que removeu corpo de ex-namorada do cemitério não se apresenta e é preso dirigindo bêbado

José Gomes Rodriguez de 57 anos foi preso na noite deste domingo (17), quando dirigia bêbado, no bairro Amambai, em Campo Grande. Ele é acusado de remover o corpo de Rosilei Potroniele do cemitério de Dois Irmãos do Buriti. Ele deveria se apresentar nesta terça-feira (19), a delegada Nelly Macedo, mas acabou preso por volta […]

Thatiana Melo Publicado em 18/02/2019, às 07h02 - Atualizado em 09/07/2020, às 00h10

None

José Gomes Rodriguez de 57 anos foi preso na noite deste domingo (17), quando dirigia bêbado, no bairro Amambai, em Campo Grande. Ele é acusado de remover o corpo de Rosilei Potroniele do cemitério de Dois Irmãos do Buriti.

Ele deveria se apresentar nesta terça-feira (19), a delegada Nelly Macedo, mas acabou preso por volta das 23 horas deste domingo (17). José foi abordado pela Polícia Municipal depois de descer do carro em que estava com uma lata de cerveja nas mãos.

O veículo estava sem placas dianteira e traseira, e ele sem nenhum documento de identificação. José se apresentou como oficial da Polícia Militar, mas também não tinha documentos que comprovassem.

Ele foi levado para a delegacia e lá constatado quem ele era. José foi encaminhado, então, para o Presídio Militar.

No sábado (16), o advogado José Roberto da Rosa afirmou que alegará que seu cliente sofre de esquizofrenia. Segundo ele, há laudo médico atestando a doença. Portanto, seria necessário saber se, no momento em que o ex-PM removeu o corpo do cemitério, estaria em surto.

O advogado destacou que um contato entre o autor e a delegada Nelly Macedo foi feito por telefone na noite da sexta-feira (15), na qual comprometeu-se de se apresentar na terça-feira na Delegacia de polícia de Dois Irmãos de Buriti. Segundo ele, caso o surto seja confirmado, José Gomes Rodrigues pode não ser imputado pelo crime de vilipêndio de cadáver, cuja pena é de reclusão de um a três anos e multa.

Ainda segundo José Roberto no dia do assassinato de Rosilei, José estava preso por causa de denúncias feitas pela vítima, sendo que ao sair da cadeia ficou sabendo pelo seu primo, Edson Maciel, que Rosilei havia sido morta a facadas em um bar de Terenos.

Neste momento, José teria se desesperado e planejado o ’furto’ do corpo da ex-mulher, já que os dois teriam feito um “pacto” no qual quem morresse primeiro voltaria para buscar o outro, “para ficarem juntos para sempre”.

José afirma ter ouvido a voz de Rosilei chamando-o, e dizendo que não queria ficar onde estava, e por isso ele teria ido buscá-la. Mas, antes de sair para pegar o corpo, tanto José como Edson consumiram bebidas alcoólicas. José teria dito não se lembrar do que fez e que, apenas, se lembra de acordar na cama em sua chácara.

Jornal Midiamax