Polícia

PM ‘cessou injusta agressão’, antecipa Corregedoria antes de apurar morte de entregador

A atuação dos policiais militares, que atiraram em um motoentregador – que segundo a PM teria reagido a uma abordagem, foi para cessar uma ‘injusta agressão’, de acordo com a assessoria da Polícia Militar. “Informamos que, segundo consta no boletim de ocorrência, a atuação da equipe policial militar foi com a finalidade de cessar injusta […]

Dayene Paz Publicado em 06/05/2019, às 15h53 - Atualizado em 07/05/2019, às 10h16

Foto: Minamar Júnior.
Foto: Minamar Júnior. - Foto: Minamar Júnior.

A atuação dos policiais militares, que atiraram em um motoentregador – que segundo a PM teria reagido a uma abordagem, foi para cessar uma ‘injusta agressão’, de acordo com a assessoria da Polícia Militar. “Informamos que, segundo consta no boletim de ocorrência, a atuação da equipe policial militar foi com a finalidade de cessar injusta agressão”.

A Corregedoria da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul deve apurar as circunstâncias do fato. “Toda ação policial militar com resultado morte enseja abertura de Inquérito Policial Militar para averiguação das circunstâncias em que ocorreram”, informou a assessoria.

O motoentregador, Luiz Fernando Duarte Franco, de 41 anos, foi morto em uma abordagem da Polícia Militar na madrugada do último sábado (4), no Jardim Noroeste, em Campo Grande. Testemunhas acreditam que ele estaria com a documentação do veículo Ford Fiesta atrasado, e por isso, poderia não ter obedecido a ordem de parada da guarnição.

Os moradores do bairro ouviram cerca de oito tiros. Ainda segundo as testemunhas, quando os policiais alcançaram o carro, que parou em frente à casa da vítima, nenhuma arma foi retirada do Ford Fiesta. Moradores das imediações ouvidas pela reportagem dizem que os barulhos ouvidos condizem com arma de grosso calibre, e não com a arma que supostamente estaria em poder da vítima, segundo os policiais: um revólver calibre 32.

Segundo o registro oficial, Luiz teria sido alvejado após fugir e supostamente disparar contra a guarnição. Quem viu o episódio, no entanto, relata que o homem estacionou em frente de casa e, quando os policiais abriram a porta, já caiu do carro imóvel, desarmado.

Jornal Midiamax