Polícia

1 ano: família de jovem morto atropelado na Ceará pede por Justiça

A família do jovem de 22 anos, Moisés Luiz da Silva Oliveira, atropelado enquanto atravessava a faixa de pedestre, na Rua Ceará, no bairro Santa Fé em Campo Grande, em manifestação na manhã desta sexta-feira (26) em frente ao Fórum pede por Justiça. O motorista que atropelou e matou Moisés pagou fiança de R$ 28.620. […]

Thatiana Melo Publicado em 26/04/2019, às 10h39 - Atualizado às 10h40

Foto: Minamar Júnior
Foto: Minamar Júnior - Foto: Minamar Júnior

A família do jovem de 22 anos, Moisés Luiz da Silva Oliveira, atropelado enquanto atravessava a faixa de pedestre, na Rua Ceará, no bairro Santa Fé em Campo Grande, em manifestação na manhã desta sexta-feira (26) em frente ao Fórum pede por Justiça. O motorista que atropelou e matou Moisés pagou fiança de R$ 28.620.

O irmão de Moisés, Felipe Luis da Silva, disse ao Jornal Midiamax que não tem resposta nenhuma da Justiça, já que o inquérito ainda nem saiu da delegacia. “Esperamos mais celeridade. Os laudos, que geralmente demoraram, apenas, 30 dias para ficarem prontos, no caso do meu irmão demoraram 7 meses”, falou.1 ano: família de jovem morto atropelado na Ceará pede por Justiça

“A sensação é de impunidade”, falou Felipe. O motorista que matou atropelado Moisés ficou preso menos de 30 horas. Ele pagou fiança de pouco mais de R$ 28 mil e foi solto, onde responde em liberdade pelo crime de homicídio culposo. O autor do atropelamento estaria entre 70 e 100 Km/h, superior aos 50 Km/h permitido para a via.

O atropelamento

Moisés atravessa a rua na companhia de seus amigos quando foi atropelado na faixa de pedestres. Com o impacto da batida, a vítima foi arremessada a 55 metros do local da colisão. O motorista fugiu, mas acabou preso em sua casa meia hora depois, já que a placa do carro caiu no local.

Testemunhas disseram que o condutor estava em alta velocidade, não prestou socorro à vítima e fugiu do local. A placa do carro do atropelador caiu na via, o que ajudou a polícia a identificá-lo e prendê-lo momentos depois. Ele é funcionário público municipal e foi levado para a delegacia de polícia.  O autor apresentava sinais de embriaguez, mas se recusou a fazer o teste do bafômetro.

Jornal Midiamax