Polícia

‘Sumiço’ no Zé Pereira: sem confirmar decapitação, Polícia suspeita de facção

Desapareceu em frente à sua casa

Thatiana Melo Publicado em 20/02/2018, às 12h07

None

Desapareceu em frente à sua casa

Sem confirmar que as fotos que circularam, em grupos de WhatsApp, de um corpo decapitado seriam de John Hudson dos Santos Marques, de 27 anos, a polícia trabalha com a hipótese de envolvimento com facções criminosas para o sumiço do rapaz.

Segundo o delegado que cuida do caso Márcio Obara, da DEH (Delegacia Especializada de Homicídios) a qualidade da foto não permite uma identificação concreta de que seja John a vítima.

“Trabalhamos com a hipótese de envolvimento entre facções criminosas. A investigação está em andamento”, fala Obara que não quis dar mais detalhes para não atrapalhar as investigações.

Familiares de John receberam uma foto em que aparece um homem decapitado, sendo que a vítima foi reconhecida como sendo o rapaz pela família.‘Sumiço’ no Zé Pereira: sem confirmar decapitação, Polícia suspeita de facção

O desaparecimento

John estava em casa com sua namorada, quando disse que iria para frente da residência fumar um cigarro e desde então desapareceu. Ele saiu apenas com celular e sem documentos. No momento do desaparecimento estava sem camisa, usava bermuda jeans e chinelo na cor azul.

Após meia hora de seu desaparecimento, três homens desconhecidos foram até a sua residência e perguntaram por ele. Conforme seu irmão de criação Jean Carlos Martins Gonzales, antes do desaparecimento de John, houve uma briga na esquina na casa dele, na rua José Barbosa Rodrigues, mas ele nega que o irmão esteja envolvido. “Ele é um rapaz tranquilo, não é de se envolver em brigas, não tinha desentendimentos com ninguém”. Jonh tem uma tatuagem de dragão nas costas e no braço direto e uma tribal no braço esquerdo.

Suspeitas

​A esposa do jovem, que não quis se identificar, contou ao Jornal Midiamax que no dia do desaparecimento ele estava com outra mulher na casa. Essa mulher seria a mesma que registou o boletim de ocorrência no dia do desaparecimento e se identificou como namorada dele.

A mulher de John afirmou que está com ele há cinco anos e o descreve como um “homem maravilhoso”. Ela firma que o único defeito do marido era o fato dele ser “mulherengo”. Como ele não tinha passagens pela Polícia e nem envolvimento com drogas, ela acredita que o único motivo para o desaparecimento poderia ser envolvimento com outras mulheres.

Jornal Midiamax