Polícia

PMA autua pecuarista paulista em R$ 43 mil por desmatamento ilegal

A PMA (Polícia Militar Ambiental) autuou um pecuarista paulista em R$ 43 mil por desmatamento ilegal de 43 hectares de vegetação nativa em Bonito, cidade a 298 quilômetros de Campo Grande. Policiais militares ambientais de Bonito realizaram nesta quarta-feira (25), vistoria em áreas desmatada ilegalmente em uma propriedade rural, localizada no município de Bodoquena. A […]

Diego Alves Publicado em 25/04/2018, às 20h39

DCIM100MEDIADJI_0401.JPG
DCIM100MEDIADJI_0401.JPG - DCIM100MEDIADJI_0401.JPG

A PMA (Polícia Militar Ambiental) autuou um pecuarista paulista em R$ 43 mil por desmatamento ilegal de 43 hectares de vegetação nativa em Bonito, cidade a 298 quilômetros de Campo Grande.

Policiais militares ambientais de Bonito realizaram nesta quarta-feira (25), vistoria em áreas desmatada ilegalmente em uma propriedade rural, localizada no município de Bodoquena. A área de supressão foi verificada por imagem de satélites.

O fazendeiro paulista suprimiu 43 hectares de vegetação nativa, medidos em GPS e constatadas também com imagens de Drone, sem a licença ambiental. No local foi plantada pastagem. A madeira produto do desmatamento não estava mais na fazenda.

O funcionário do pecuarista apresentou aos Policiais uma autorização eletrônica (AE) retirada no site do órgão ambiental estadual, porém, as imagens de satélites deixam clara a existência anterior de floresta no local. A licença para limpeza de pastagem não permite o desmatamento, o qual envolveu as árvores de grande porte e com formação de dossel.

A licença de limpeza só permite a derrubada de arbustos, com diâmetro abaixo de 32 centímetros na altura do peito (Circunferência a altura do Peito – CAP, que é considerada a 1,30 metros de altura da vegetação), com uso de roçadeiras ou foices. Essas licenças são retiradas online no site do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (IMASUL), para facilitação aos proprietários rurais, em razão de serem atividades de baixo impacto, porém, alguns proprietários aproveitam para realizar desmatamentos e tentam justificar com essas autorizações.

As atividades foram interditadas. O infrator (88), residente em Bauru (SP), foi autuado administrativamente e recebeu multa administrativa de R$ 43.000,00. Ele também responderá por crime ambiental, que prevê pena de três a seis meses de detenção.

O infrator foi notificado a apresentar um Plano de Recuperação da Área Degradada e Alterada (PRADA) junto ao órgão ambiental estadual.

Jornal Midiamax