Polícia

Justiça nega transferência de filho que esquartejou a mãe, médica veterinária

Acusado queria sair da cadeia para clínica

Thatiana Melo Publicado em 09/01/2018, às 11h00

None

Acusado queria sair da cadeia para clínica

A Justiça negou o pedido de transferência do presídio para clínica psiquiátrica de Mato Grosso do Sul ou qualquer outro Estado da Federação, do ex-acadêmico de medicina Camilo D’Amico de Freitas, de 33 anos, acusado de matar e esquartejar a própria mãe, uma médica veterinária de 60 anos, na cidade de Dourados, a 225 quilômetros de Campo Grande, em dezembro de 2017.

A defesa já havia solicitado, anteriormente, a transferência de Camilo, que tem esquizofrenia, para o Hospital Nosso Lar em Campo Grande, mas foi informado que não há vagas para o acusado na Capital. Ainda de acordo com a decisão, proferida ontem, segunda-feira (8), o pedido de transferência foi negado porque dificultaria a tramitação da ação penal.

Bem como da citação, intimação e realização de perícia durante o tramite processual. Foi determinado que Camilo fique em uma ala de saúde da penitenciária de Dourados. O ex-estudante de medicina esquartejou a mãe, Pierina Maria D’ Amico, no dia 8 de dezembro de 2017.

O crime foi descoberto depois que uma mão foi encontrada do lado de fora, na calçada da residência. O corpo da mulher foi encontrado no interior da casa e, segundo a polícia, a mãe pode ter lutado com filho antes de ser morta, devido marcas de sangue pela casa. O jovem tinha ferimentos no braço.Justiça nega transferência de filho que esquartejou a mãe, médica veterinária

A vítima recebeu vários golpes na região do abdômen e teve a mão arrancada. O pescoço também apresentava ferimentos.

(Colaborou Jéssica Benitez)

Jornal Midiamax