Polícia

Dupla é condenada a 49 anos de prisão por espancar e queimar homem vivo

Eric foi condenado a 28 anos de prisão e Klismann a 21

Diego Alves Publicado em 01/02/2018, às 22h00

None

Eric foi condenado a 28 anos de prisão e Klismann a 21

Eric Vinicius dos Santos Lopes, 21, e Klismann Henrique Oliveira da Silva, de 22 anos, acusados de espancar e queimar Gilmar Alves de Oliveira, de 45 anos, vivo em um bueiro foram sentenciados nesta quinta-feira (01). Eric foi condenado a 28 anos de prisão e Klismann a 21, ambos em regime fechado.Dupla é condenada a 49 anos de prisão por espancar e queimar homem vivo

Além do homicídio, Eric também foi condenado pelo roubo de combustível usado para atear fogo em Gilmar, que ainda estava vivo.

O homicídio aconteceu em Rio Negro, cidade a 154 quilômetros de Campo Grande, no dia 23 de março de 2017, por volta de uma hora da manhã. O julgamento foi realizado pela juíza Bruna Tafarelo na comarca de Rio Negro.

Caso

No dia 23 de março de 2017, por volta de uma hora da manhã, na Av. Brasil, ao lado do “Bar do Sérgio”, Eric e Klismann passaram a tarde ingerindo bebida alcoólica e, à noite, foram até o bar onde encontraram Gilmar, que também estava bêbado.

No local, ainda de acordo com a acusação, os três iniciaram uma discussão e Gilmar foi agredido com socos e chutes. Caído ao solo e sem oferecer qualquer tipo de resistência, ele foi arrastado até as proximidades de um bueiro, ao lado do Cartório Eleitoral. Passado algum tempo, Gilmar tentou se levantar, mas foi novamente agredido violentamente pelos acusados, ficando sem qualquer possibilidade de reação.

Ele então foi mais uma vez arrastado pelo braço e teve parte do corpo colocado dentro do bueiro. Em seguida, os autores foram até um posto de combustível e pediram gasolina em um recipiente. No local estavam um frentista e o proprietário, que foram ameaçados depois de se recusarem a fornecer o combustível.

Após agredirem o frentista e roubarem gasolina da bomba, Eric permaneceu no posto de combustível para garantir que a polícia não seria acionada, enquanto Klismann retornou ao local em que a vítima estava viva e ateou fogo nela, o que gerou uma explosão. Em seguida, os acusados fugiram.

A Polícia Militar foi acionada pelas pessoas que estavam no posto e, nesse momento, um policial civil ia passando e viu o fogo. Com o extintor de incêndio de seu carro apagou as chamas do corpo da vítima, mas Gilmar morreu com as pernas dentro do bueiro. A PM prendeu os réus na residência de Eric.

Jornal Midiamax