Após ser amarrado em assalto, corretor pede ajuda para encontrar mais de 50 chaves

O corretor de imóveis Luiz Fernando Godzicki, de 39 anos, foi assaltado e amarrado enquanto mostrava uma casa para ser vendida no bairro Pioneiros, em Campo Grande, na última quinta-feira (10). Apesar de ficar sob a mira de um revólver e perder dinheiro e o carro que usava, Luiz só quer recuperar documentos e chaves […]
| 14/05/2018
- 15:10
Após ser amarrado em assalto, corretor pede ajuda para encontrar mais de 50 chaves

O corretor de imóveis Luiz Fernando Godzicki, de 39 anos, foi assaltado e amarrado enquanto mostrava uma casa para ser vendida no bairro Pioneiros, em Campo Grande, na última quinta-feira (10). Apesar de ficar sob a mira de um revólver e perder dinheiro e o carro que usava, Luiz só quer recuperar documentos e chaves de imóveis dos seus clientes.

São cerca de 50 chaves de imóveis e documentos das casas que interessam ao corretor. Além disso, o notebook, com material do seu curso de graduação em Direito, também está fazendo falta, já que as provas de Luiz começam em duas semanas.

“Perdi muita coisa nesse assalto, mas tudo o que eu quero mesmo são as chaves dos clientes e os documentos. Preciso disso para trabalhar”, relata.

Na ocasião, Luiz agendou para 17h30 uma visita de um imóvel no bairro Pioneiros. “Cheguei com a cliente que queria ver a casa, entramos e deixamos o portão entreaberto. Uns cinco minutos depois entraram dois homens armados, que me amarraram na lavanderia com os meus cadarços e me ameaçaram até eu passar a senha do meu Iphone para eles”.

A dupla levou talões de cheque, R$ 5,1 mil em dinheiro, um veículo Corolla Upper Toyota, ano 2017, placas QAF 7794, três pastas com documentos de imóveis e terrenos e mais de 50 chaves de casas.

Na sexta, um comerciante de Bela Vista, distante 324 quilômetros de Campo Grande, ligou para o corretor afirmando que mais de 20 placas de ‘Vende-se’, em seu nome, foram encontradas na cidade. “No vídeo do estabelecimento dele, é possível ver os caras descendo do carro e se desfazendo de algumas coisas minhas, como as placas”, explica Luiz.

Entretanto, o comerciante não quis lhe passar as imagens. “Talvez por medo, porque ali é região de fronteira”.

O caso é investigado pela polícia, mas enquanto isso, Luiz faz o apelo. “Eu preciso muito encontrar esses documentos e chaves porque não são meus”. Quem tiver qualquer informação sobre o paradeiro dos pertences de Luiz, basta entrar em contato pelo celular: 67 991494444.

Veja também

A PMA (Polícia Militar Ambiental) do Grupamento do Parque do Ivinhema surpreendeu pescador pescando com...

Últimas notícias