Polícia

Suspeitos de assalto no Paraguai são mortos pela polícia no Brasil

O crime foi atribuído ao PCC 

Midiamax Publicado em 24/04/2017, às 20h00

None
paraguai-ciudad-del-este-fronteira-foz_2_reprod-fb_900x506.jpg

O crime foi atribuído ao PCC 

No início desta tarde, Polícias Federais trocaram tiros com pelo menos 12 suspeitos de participaram do megaasalto na cidade paraguaia de Ciudad del Este, na madrugada desta segunda-feira (24). Segundo informações preliminares, a ação aconteceu na área rural de Itaipulândia, no oeste do Paraná e três bandidos teriam morrido no confronto e outros três baleados.

Conforme divulgado por sites locais, equipes da Polícia Federal realizavam patrulha na região quando se depararam com o grupo de aproximadamente 12 pessoas. Os suspeitos atiraram nos policiais em uma tentativa de fuga, dando início ao tiroteio.

A troca de tiros teria acontecido em dois momentos e conforme o titular da Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública) de Mato Grosso do Sul, José Carlos Barbosa, as primeiras informações indicam que menos três suspeitos teriam morrido no confronto. Outros três ficaram feridos e foram presos. O número de mortes ainda não foi confirmado pela Polícia Federal do Paraná. 

Policiais militares e civis e também agentes da PRF (Polícia Rodoviária Federal) da região também foram acionados para reforçar a segurança no local. Helicópteros das forças de segurança também estão sendo usados na ação.

Na tentativa de fuga, os suspeitos abandonaram um fuzil, munições, um colete a prova de balas e explosivos em um veículo roubado na região. Uma mochila com mais explosivos também foi abandonada na margem de uma estrada próxima ao local da troca de tiros.

Ataque

Sede da empresa Prosegur, nesta segunda-feira (24), foi convertida em ruínas na cidade paraguaia de Ciudad Del Este, em crime atribuído ao Primeiro Comando da Capital (PCC).

Operação durou pouco mais de quatro horas, conforme os jornais Hoy e ABC Color, deixando rastro de 15 carros queimados, caminhões e bombas espalhadas pela cidade. Miguelitos, pregos unidos com arame, também foram espalhados para impedir possível perseguição.

No confronto, um agente do Grupo Especial de Operações da polícia paraguaia morreu e outro ficou ferido, além três civis. Estima-se que os criminosos, usando máscaras e roupas camufladas, tenham levado cerca de R$ 120 milhões (US$ 40 milhões).

Forças do Exército foram convocadas pelo presidente Horacio Cartes para auxiliar nas investigações de um crime anunciado desde fevereiro por equipes de inteligência. (Foto: Dalon Dutra / Reprodução)

Jornal Midiamax