Polícia

Promotor do ‘vexame no MT’ é trazido por familiares para Campo Grande

Após receber moção de repúdio em MS

Diego Alves Publicado em 07/07/2017, às 00h01

None

Após receber moção de repúdio em MS

O promotor de Justiça do Ministério Público de Mato Grosso, Fábio Camilo da Silva, filmado desacatando um policial militar, na manhã do último sábado, (29), na cidade de Peixoto de Azevedo (MT), foi trazido para Campo Grande por familiares.Promotor do 'vexame no MT' é trazido por familiares para Campo Grande

Fábio, que estava internado até esta quinta-feira (06) no Hospital Regional de Sinop (MT) foi transferido a pedido da família para uma clínica de Campo Grande.

O promotor já trabalhou no Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande, e também tentou ser juiz aqui no Estado. Desde abril deste ano, Silva é promotor de Justiça na cidade de Guarantã do Norte, no interior de MT.

Em reunião na última terça-feira (4), o Ministério Público de Mato Grosso, em Cuiabá afastou o promotor de justiça e instaurou um processo administrativo disciplinar.

Moção de repúdio

O promotor filmado desacatando um policial militar recebeu uma moção de repúdio da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul nesta terça-feira (04).

A moção, feita pelo deputado Coronel David, desabona o promotor por ter cometido abuso de autoridade, lesão corporal, desacato e ameaça, conforme relatos do boletim de ocorrência registrado.

O documento foi encaminhado ao promotor e ao procurador-geral de Justiça do Mato Grosso Mauro Benedito Pouso Curvo.

Caso

Fábio discutiu com policiais militares em uma rodovia próxima a cidade Peixoto de Azevedo (MT) após ser interceptado pela PM em razão de dirigir supostamente embriagado.

Ele foi conduzido para a Delegacia, acompanhado de outro membro do MPE, chamado para acompanhar a ocorrência. O delegado plantonista registrou boletim de ocorrência sobre o caso, no qual apontou que Silva cometeu crime de desacato e embriaguez ao volante.

Na madrugada deste domingo (2), a PM foi chamada para atender uma nova ocorrência envolvendo o promotor, no qual hóspedes de um hotel em Guarantã do Norte relataram que Silva teria ameaçado eles, dizendo que era melhor que eles saíssem do local, “senão a situação se complicaria para eles”. A polícia informou que o homem estava visivelmente alterado. Porém, ele não chegou a ser detido.

Horas mais tarde, na manhã de domingo, o membro do Ministério Público Estadual (MPE) foi detido pela PM após quebrar a porta de vidro de uma emissora de Guarantã do Norte que estava veiculando uma reportagem sobre a detenção dele, no dia anterior. Mais uma vez alterado, o homem utilizava uma toga no momento em que foi detido pela polícia, em frente à TV Migrantes.

Jornal Midiamax